terça-feira, 31 de março de 2015

Insurgente 3D

pressupor que
Na noite deste 31 de março de 2015, fui ao cinema ver a adaptação do segundo livro da trilogia literária escrita por Veronia Roth, Insurgente (Insurgent, 2015), de Robert Schwentke, nos leva de volta ao cenário futurista, dividido em facções, apresentado anteriormente em Divergente (Divergent, 2014), de Neil Burguer, que arrecadou mais de US$ 288 milhões em todo o mundo.
Os riscos para Tris (Shailene Woodley) aumentam quando ela decide procurar por aliados e respostas nas ruínas de uma Chicago futurista (embora o filme tenha sido rodado em Atlanta). Ela e Quatro (Theo James) agora são fugitivos, caçados por Jeanine (Kate Winslet), líder da elite Erudição. Eles procuram saber os motivos que fizeram com que a família de Tris sacrificasse suas vidas e por que os líderes da Erudição queriam impedi-los. Assustada pelas escolhas do passado, Tris e Quatro passam a encarar desafios impossíveis a fim de descobrir toda a verdade sobre o passado e também o futuro de seu mundo.

O roteiro de Insurgente é um tanto quanto confuso, talvez por pressupor que boa parte do público já conhece a obra literária. A tentativa é de transformar a saga de aventura juvenil numa saga de ação e ficção científica, mas nem o vencedor do Oscar por Uma Mente Brilhante (A Beautiful Mind, 2002), de Ron Howard, Akiva Goldsman, conseguiu êxito, tornando o filme enfadonho em alguns momentos. Os atores não renderam o seu melhor. Shailene Woodley não convece como heroína, Ansel Elgort parece deslocado, Miles Teller é melhor tocando bateria, Kate Wislet não é plenamente aproveitada e Naomi Watts deixa a desejar. Há uso desmedido de CGI, o 3D escurece e, apesar da profundidade, não seria necessário. Em 2016 tem Convergente – Parte 1 e em 2017 Convergente – Parte 2. 

FICHA TÉCNICA
Insurgente (Insurgent)
Estreia: 19/03/2015
Gênero: Aventura, Ficção Científica, Romance
Duração: 120 min.
Origem: Estados Unidos
Direção: Robert Schwentke
Roteiro: Akiva Goldsman, Brian Duffield, Mark Bomback
Distribuidor: Paris Filmes
Classificação: 12 anos
Ano: 2015

Confira trailer de Insurgente:

segunda-feira, 30 de março de 2015

Ponte Aérea

Poster de Ponte Aérea (2015) de Júlia Rezende
Na noite do dia 30 de março de 2015, fui com minha namorada e esposa Mariana ver o drama romântico nacional Ponte Aérea (2015), de Júlia Rezende, que nos apresenta um encontro inesperado entre um carioca e uma paulista, que vivenciam uma turbulenta história de amor moderna em meio a seus dramas pessoais

Um voo do Rio de Janeiro para São Paulo tem seu curso desviado para Belo Horizonte, devido à forte chuva que castiga a capital paulista. Diante do imprevisto, os passageiros são hospedados em um hotel para que, na manhã seguinte, sigam para São Paulo. Bruno (Caio Blat) e Amanda (Letícia Colin) estão neste voo e se conhecem por acaso no hotel onde são obrigados a passar à noite. Após um rápido flerte, eles passam a noite juntos, mas se desencontram no dia seguinte, pois Bruno pega um voo logo cedo, em virtude da urgência de sua viagem.

Em São Paulo, após passar o dia no hospital, sem ter para onde ir, ele procura Amanda, enquanto que ela está sendo promovida na agência de publicidade em que trabalha. Aos poucos o sentimento entre eles se intensifica, mesmo que tenham que lidar com as dificuldades dos 432 quilômetros de distância entre as cidades que vivem. Amanda é uma jovem e bem-sucedida publicitária, Bruno é um artista plástico talentoso mas que se recusa a amadurecer. Seu pai deixou sua mãe quando ele ainda era garoto e agora, vivendo sozinho com amigos, ele tem que lidar inclusive com o outro filho de seu pai, que também é órfão de mãe.

Apesar de serem bem diferentes, Bruno e Amanda sentem uma atração inexplicável um pelo outro e vivem um amor momentâneo. O filme propõe então um olhar para a dificuldade dos jovens atuais em criar laços duradouros e sua resistência em enfrentar questões da vida adulta. Este é o grande mérito do filme, o fato dele ter conteúdo, algo bem diferente das tradicionais comédias globais que superlotam nossos cinemas.

O roteiro foi inspirado no livro Amor Líquido – Sobre a Fragilidade dos Laços Humanos, do sociólogo polonês Zygmunt Bauman. O argumento escrito por Júlia Rezende e Rafael Pitanguy levou três anos para ser concluído. Posteriormente, L.G. Bayão entrou para a equipe de roteiristas, que contou ainda com a colaboração de Patrícia Corso. Embora não concorde com o tipo de romance que vai para a cama na primeira noite, entendo que esta é a realidade do mundo que vivemos. Então, nada melhor do que poder vislumbrar isso na tela grande, especialmente as consequências de uma relação frágil, quando as pessoas priorizam a busca do prazer sexual sem ao menos se conhecerem.

Letícia Colin está simplesmente encantadora e Caio Blat esbanjando o talento de sempre. A trilha sonora se destaca com a banda Kaiser Chiefs e sua balada Ruby, Rodrigo Amarante participa com Hourglass, Dimitri BR e Bruna Beber dividem a voz na linda e melancólica Você e a Brisa, e a clássica A Whiter Shade Of Pale da banda Procol Harum. É cinema nacional de primeira qualidade.
 
FICHA TÉCNICA
Ponte Aérea
Estreia: 26/03/2015
Gênero: Drama, Romance
Duração: 100 min.
Origem: Brasil
Direção: Júlia Rezende
Roteiro: Júlia Rezende, Rafael Pitanguy, L.G. Bayão, Patrícia Corso
Distribuidor: Paris Filmes
Classificação: 12 anos
Ano: 2015

Confira trailer de Ponte Aérea:

domingo, 29 de março de 2015

Circuito das Estações 2015 - Etapa Outono

Na manhã do dia 29 de março de 2015, mesmo com virose, fui com o Fernando correr a primeira etapa do Circuito das Estações 2015 - Etapa Outono, uma das melhores corridas de rua do calendário de Fortaleza.
Fiz um tempo muito ruim, apesar de ter corrido apenas 5Km: 43:34, mas devido minhas condições para esta prova, ter chegado foi uma vitória. Minha mãe, esposa e filho acompanharam e tomaram inclusive um banho de chuva.

sábado, 28 de março de 2015

O Sal da Terra

Poster de O Sal da Terra (The Salt of Earth, 2014) de Wim Wenders e Juliano Ribeiro Salgado
Na tarde do dia 28 de março de 2015, fui com o Sahel ver o documentário O Sal da Terra (The Salt of Earth, 2014), de Wim Wenders e Juliano Ribeiro Salgado, expõe de modo sutil e delicado a vida e a obra de Sebastião Salgado, que se dedica ao ofício artístico da fotografia desde os anos 1970. Concorreu ao Oscar 2015 de Melhor Documentário. Um trecho do filme é dedicado as fotos que Salgado tirou na região do Sahel na África, então teve um significado especial pra mim...

No documentário, vemos onde Sebastião Salgado nasceu, seu encontro com sua esposa, Lélia Salgado, em Vitória, a ida do casal para São Paulo, a proximidade com a militância à esquerda, a decisão de se mudar para a Europa após o recrudescimento da ditadura, o abandono da carreira de economista em benefício da fotografia, o nascimento dos filhos (incluindo a surpresa da descoberta de que o segundo é portador da Síndrome de Down), o impacto crescente de suas fotos e o reconhecimento internacional.

Ver O Sal da Terra funciona como estar admirando um álbum fotográfico com os comentários em áudio do fotógrafo. Em alguns trechos, vemos exatamente isso em tela, quando a foto e a narração de misturam. Sempre fotografando em preto e branco, Sebastião Salgado expõe a desigualdade social presente no mundo que vivemos, até o período em que ele decidiu registrar a beleza e a degradação da natureza. O documentário mostra também o trabalho de Sebastião Salgado no Instituto Terra, criado por ele e sua esposa, que é dedicado à plantação de espécies da Mata Atlântica.

O co-diretor Juliano Ribeiro Salgado é filho de Sebastião Salgado, então é possível sentir uma atmosfera familiar no registro. No entanto, predomina a visão de Wim Wenders, que é um admirador das diversas formas de artes e teve seu primeiro contato com o trabalho do fotógrafo no final dos anos 1980, quando viu uma foto de uma mulher cega feita para o projeto Trabalhadores. O fotógrafo social Sebastião Salgado também é autor das séries Sahel: The End of the Road, Êxodos e Gênesis. As filmagens começaram em 2009 e o processo teve 15 mil horas de captação. A edição levou mais um ano e meio para finalizar o filme.

No campo das premiações, O Sal da Terra venceu um prêmio especial do júri da Mostra Um Certo Olhar do Festival de Cannes, além do prêmio do Júri Ecumênico, dedicada a produções sobre valores humanos. O documentário também venceu o César 2015, principal prêmio do cinema francês, de Melhor Documentário. 

FICHA TÉCNICA
O Sal da Terra (The Salt of Earth)
Estreia: 26/03/2015
Gênero: Documentário, Biografia
Duração: 110 min.
Origem: Brasil, França, Itália
Direção: Juliano Ribeiro Salgado, Wim Wenders
Roteiro: David Rosier, Juliano Ribeiro Salgado, Wim Wenders
Distribuidor: Imovision
Classificação: 10 Anos
Ano: 2014

Contemple o trailer de O Sal da Terra: 

quinta-feira, 26 de março de 2015

Cinderela

Poster de Cinderela (Cinderella, 2015) de Kenneth Branagh
Há tempos que se busca adaptar em live action os clássicos animados. A história de Cinderela já foi várias vezes adaptadas para o cinema, primeiramente com a animação Cinderela (Cinderella, 1950), de Wilfred Jackson, e depois no drama Para Sempre Cinderela (Ever After, 1999), de Andy Tennant. Cinderela (Cinderella, 2015), de Kenneth Branagh, consegue homenagear a história clássica e ainda se destacar pelo excelente uso de maquiagem, penteados e figurino

Depois da inesperada morte de sua mãe, Ella (Lily James, da série Downton Abbey) recebe a incumbência de ser gentil e corajosa. Ela vive tranquilamente com seu pai, até que ele decide se casar com uma viúva e Ella é forçada a viver com sua madrasta, Lady Tremaine (Cate Blanchett), e suas filhas Anastasia (Holliday Grainger) e Drisella (Sophie McShera).

Após uma longa viagem, chega a notícia da morte de seu pai. Ella, agora apelidada de Cinderela, é obrigada a trabalhar como empregada em sua própria casa, no entanto continua otimista com a vida. Certo dia, ela decide fugir pela floresta, e ocasionalmente conhece e se encanta por um príncipe (Richard Madden, o Robb Stark da série Game Of Thrones), que também se apaixona pela camponesa e decide convidar todas as damas do reino para um baile no palácio, onde escolherá sua esposa.

Ela decide ir ao grande baile e acredita que encontrou sua alma gêmea, mas sua madrasta rasga seu vestido e a impede de ir à festa. É quando surge a fada madrinha (Helena Bonham Carter) para lhe dar uma ajuda e mudar o seu destino. As atuações estão muito boas, não soando bobas em nenhum momento e com Cate Blanchett desfilando talento. Não há grandes efeitos especiais no filme, e eles não fazem falta. Destaque para a cena da transformação da abóbora em carruagem e o retorno pós-baile.

O roteiro escrito por Chris Weitz, o mesmo que dirigiu e roteirizou Um Grande Garoto (About a Boy, 2002) e dirigiu A Saga Crepúsculo: Lua Nova (The Twilight Saga: New Moon, 2009), em parceria com Aline Brosh McKenna, conhecida por ter escrito o excelente roteiro de O Diabo Veste Prada (The Devil Wears Prada, 2006) e Vestida Para Casar (27 Dresses, 2008), é bem conciso, e consegue inclusive dar veracidade a relação de Ella com os animais e ser simples e direto em sua proposta. Digno de aplausos.

Chegue cedo, pois antes das sessões de Cinderela é exibido o curta-metragem Frozen: Febre Congelante (Frozen Fever, 2015), um spin-off da animação Fronzen: Uma Aventura Congelante (Frozen, 2014), de Chris Buck e Jennifer Michelle Lee. Na animação, Elsa e Kristoff contam com a ajuda de Sven e Olaf para uma festa de aniversário para Anna da forma como ela merece, mas Elsa apresenta sintomas de resfriado e ameaça estragar a comemoração.

FICHA TÉCNICA
Cinderela (Cinderella)
Estreia: 26/03/2015
Gênero: Aventura, Fantasia, Romance
Duração: 105 min.
Origem: Estados Unidos
Direção: Kenneth Branagh
Roteiro: Aline Brosh McKenna, Chris Weitz
Distribuidor: Walt Disney Pictures
Classificação: Livre
Ano: 2015

Confira o trailer de Cinderela:


Frozen: Febre Congelante

Na noite deste 26 de março de 2015, antes da sessão de Cinderela (Cinderella, 2015), de Kenneth Branagh, vi com a Mariana e o Sahel a nova animação da Disney, Frozen, Febre Congelante (Frozen Fever, 2015) de Chris Buck e .

É aniversário de Anna. Elsa e Kristoff trabalham na preparação da maior festa de todos os tempos, mas a ansiedade da rainha descontrola seus gelados poderes e coloca a celebração e todo o reinado em risco. É a primeira vez que um personagem da Disney fica gripado. Destaque para a canção Making Today A Perfect Day. 

Confira o trailer de Frozen, Febre Congelante:

sábado, 21 de março de 2015

Terceira Pessoa

Poster de Terceira Pessoa (Third Person, 2013) de Paul Haggis

Repetindo a mesma fórmula de Crash – No Limite (Crash, 2004), lançado em 2005 e vencedor do Oscar 2006, Paul Haggis apresenta três histórias entrelaçadas. Acontece que a moda já passou e em Terceira Pessoa (Third Person, 2013) as histórias se intercalam de um modo confuso, afinal teoricamente os personagens estão distantes uns dos outros
 
O filme apresenta histórias de amor de três casais em três cidades. Em Paris o escritor Michael (Liam Neeson) se separou da esposa, Elaine (Kim Basinger), e está tendo um caso com Anna (Olivia Wilde), uma ambiciosa jornalista. Em Roma, Scott (Adrien Brody) se apaixona por uma cigana, Monica (Moran Atias), e simpatiza com sua perigosa busca para reencontrar a filha pequena. E em Nova York, Julia (Mila Kunis) é uma jovem mãe, traumatizada após perder a guarda do filho para o ex-marido famoso (James Franco), e conta com a ajuda da advogada Theresa (Maria Bello) numa batalha judicial pela custódia da criança que acidentalmente ela quase matou.

O estilo de Haggis, que também já foi utilizado por outros diretores, me parece um tanto quanto saturado, ainda mais quando estamos lidando com um personagem que é um autor de livro, e no final fica a sensação de que pouco do que foi apresentado é real, sendo boa parte ficção, não causando empatia com os espectadores, apesar de aparentemente mostrar três histórias de amor. O filme é extremamente longo para sua proposta, com várias cenas desnecessárias, inclusive uma em que Olivia Wilde corre nua nos corredores de um hotel. O elenco até se esforça para dar alguma personalidade aos personagens, mas o problema aparentemente é o roteiro que propõe ser o que não é.

FICHA TÉCNICA
Terceira Pessoa (Third Person)
Estreia: 19/03/2015
Gênero: Drama, Romance
Duração: 137 min.
Origem: Reino Unido, Estados Unidos, Alemanha e Bélgica
Direção: Paul Haggis
Roteiro: Paul Haggis
Distribuidor: PlayArte Pictures
Classificação: 14 anos
Ano: 2013

Veja o trailer de Terceira Pessoa:


terça-feira, 17 de março de 2015

O Sétimo Filho

Com uma trama confusa, que não chega a lugar nenhum, acompanhamos um filme cheio de efeitos especiais, mas sem nenhum conteúdo. Apesar do elenco com nomes bem conhecidos, O Sétimo Filho (The Seventh Son, 2015) de Sergey Bodrov desperdiça seus recursos, com uma história fraca e sem nexo


A história se passa em um tempo de encantamento, onde as lendas e a magia se colidem, o único guerreiro remanescente de uma ordem mística, John Gregory (o vencedor do Oscar Jeff Bridges), é o sétimo filho do sétimo filho e mantém uma cidade do século XVIII relativamente bem e longe dos maus espíritos.

No entanto, Gregory não é mais jovem e suas tentativas de treinar um sucessor foram todas mal sucedidas. Sua última esperança é um menino chamado Thomas Ward (Ben Barnes), filho de um jovem fazendeiro, que tem que abandonar sua vida tranquila de colono para ser um improvável herói numa aventura ousada para combater a rainha da escuridão, Mãe Malkin (a também vencedora do Oscar Julianne Moore) uma terrível e poderosa bruxa, que escapou do seu confinamento e o exército de assassinos sobrenaturais que assombram o reino.

O roteiro escrito a seis mãos, adaptando a série de livros O Aprendiz, de Joseph Delaney, é extremamente confuso, não deixando claras as motivações e os acontecimentos que aparecem na trama. Até um amor impossível é jogado na trama… O elenco está ali apenas para bater o ponto, e o diretor russo Sergey Bodrov não demonstra capacidade para dirigir um Blockbuster, que não obstante sua qualidade técnica dos efeitos especiais e da profundidade do 3D, o filme é totalmente dispensável. É torcer para que não haja continuações.

 SERVIÇO
O Sétimo Filho (The Seventh Son)
Estreia: 12/03/2015
Gênero: Aventura, Ação, Fantasia
Duração: 120 min.
Origem: Estados Unidos, Canadá, China
Direção: Sergey Bodrov
Roteiro: Charles Leavitt, Matt Greenberg, Steven Knight
Distribuidor: Universal Pictures do Brasil
Classificação: 14 anos
Ano: 2014

Segue trailer de O Sétimo Filho:

segunda-feira, 16 de março de 2015

O Duelo

Filme O Duelo (2015) de Marcos Jorge, adaptação do romance Os Velhos Marinheiros, de Jorge Amado, que marcou a despedida do cearense José Wilker no cinema, apresenta uma surpreendente narrativa que nos convida a ouvirmos histórias de marinheiro na sala escura. Tive oportunidade de ver o longa numa pré estreia para imprensa e convidados no Cinépolis Rio Mar.

O comandante Vasco Moscoso de Aragão (Joaquim de Almeida) está cansado de suas supostas aventuras em alto mar e quer um lugar tranquilo para viver e ter repouso depois de uma longa vida de aventuras pelos mares do globo. É quando conhece a vila de Periperi, uma cidadezinha costeira, situada nas proximidades de uma grande cidade portuária. O charmoso Aragão conquista a simpatia e a admiração dos moradores com suas histórias entusiasmantes, cheias de aventuras e exotismo.

Não demora a suscitar o despeito de alguns invejosos, em especial de Chico Pacheco (José Wilker), fiscal aposentado, que até então era o homem mais admirado da cidade. Ele começa a desconfiar de Aragão e do passado do forasteiro. Decidido a desmascarar o comandante, Pacheco empreende uma exaustiva e minuciosa investigação e volta com uma versão de que Vasco não passa de um comerciante arruinado, boêmio inveterado, que conseguiu de modo fraudulento o titulo de capitão. O comandante, naturalmente, nega veementemente esta versão, e afirma ser Pacheco o mentiroso. O duelo se instaura e a pacata cidadezinha fica dividida ao se instaurar a discórdia onde antes imperava a tranquilidade.

Cabe ao público decidir quem está falando a verdade, se o comandante ou com seu detrator, mas isso pouco importa, pois o que vale é sentar e ouvir as histórias. Marcos Jorge faz um bom trabalho de câmera, especialmente nas transições da realidade para a suposta fantasia. Adaptado de um dos romances mais belos e divertidos de Jorge Amado, o filme discute o tema da construção da verdade e do mito.

O elenco se destaca, com participações de nomes como Claudia Raia, Patrícia Pillar, Marcio Garcia, Milton Gonçalves, Mauricio Gonçalves, Tainá Müller e Sandro Rocha. O longa foi produzido pela Total Filmes com coprodução da Warner Bros. Pictures. É uma boa pedida!

FICHA TÉCNICA
O Duelo
Estreia: 19/03/2015
Gênero: Comédia, Drama
Duração: 109 min.
Origem: Brasil
Direção: Marcos Jorge
Roteiro: Marcos Jorge
Distribuidor: Warner Bros. Pictures
Classificação: 12 anos
Ano: 2015

Confira o trailer do longa nacional O Duelo:

Mortdecai - Arte da Trapaça

Com um subtítulo que entrega o enredo do filme, sendo quase uma sinopse, a comédia Mortdecai: A Arte da Trapaça (Mortdecai, 2015), de David Koepp, nos apresenta uma história com alguns momentos cômicos, mas que serve apenas para que o elenco de peso pague suas dívidas


Baseado na obra literária de Kyril Bonfiglioli, Charles Mortdecai (Johnny Depp), marchand cortês e trapaceiro, é um conhecido negociador de arte que conhece bem o submundo de seu meio, devido às vendas que volta e meia realiza. Casado com Johanna (Gwyneth Paltrow) e tendo Jock (Paul Bettany) como seu fiel escudeiro, um viciado em sexo.

Mortdecai passa por dificuldades financeiras que o obrigam a vender algumas das preciosas obras de arte que mantém em casa. Sabendo da crise, o inspetor Martland (Ewan McGregor) pede a ajuda de Mortdecai para resolver o assassinato de uma restauradora de quadros, morta quando estava trabalhando em uma pintura de Goya. Há indícios que o quadro contenha uma senha para uma conta perdida em um banco, cheia de ouro Nazista.

Mortdecai se vê obrigado a aceitar a tarefa pois, caso a resolva, terá sua dívida com o governo perdoada. Só que Martland tem outros interesses ao mantê-lo afastado de casa, já que é apaixonado por Johanna e vê esta como a oportunidade perfeita de se aproximar dela, ainda mais ao saber da crise conjugal existente entre eles devido ao adorado bigode cultivado por Mortdecai.

Johnny Depp há tempos perdeu a graça… Os trejeitos de Jack Sparrow estão em todos seus personagens, inclusive um que deveria destoar totalmente de seus trabalhos anteriores. O roteiro não ajuda a dar fluidez a história, apesar das interessantes cenas de mudanças de ambiente de uma cidade para outra. Dispensável.

FICHA TÉCNICA
Mortdecai: A Arte da Trapaça (Mortdecai)
Estreia: 12/03/2015
Gênero: Ação, Comédia
Duração: 106 min.
Origem: Estados Unidos
Direção: David Koepp
Roteiro: Eric Aronson
Distribuidor: Paris Filmes
Classificação: 14 anos
Ano: 2015

Confira o trailer legendado de Mortdecai – A Arte da Trapaça:


domingo, 15 de março de 2015

Semear, crescer, colher

Neste 15 de março de 2015, estive em mais um culto na IBC, aprendendo mais sobre a vontade de Deus no grande ajuntamento.

Veja o esboço aqui.

Acompanhe a mensagem a seguir:
Semear, crescer, colher from IBC Fortaleza on Vimeo.

sábado, 14 de março de 2015

Meu Nome é Paulo

O cinema cristão começa a ganhar espaço no circuito comercial brasileiro, graças a ousadia da distribuidora Dunamys Films, dedicada à produções cristãs, Meu Nome é Paulo (My Name Is Paul, 2014), de Trey Ore, é lançado no circuito, embora num espaço restrito


Neste drama, vemos a história do apóstolo Paulo de Tarso, autor de diversas epístolas contidas na bíblia, adaptada para um futuro pós-apocalíptico. Assim o roteiro se baseia na história do perseguidor de cristãos que posteriormente se tornou discípulo de Jesus e um dos principais difusores do Cristianismo.

Cego pelo ódio, Paulo (Andrew Roth) fará de tudo para chegar até Pedro (Elijah Chester), seu inimigo e líder dos seguidores do “Caminho”. Paulo está determinado a encontrar e matar quantas pessoas forem necessárias para chegar até ele. No entanto, um acidente acaba o levando para uma jornada de autodescoberta e redenção.

O que incomodou um pouco no filme foram os nomes dos personagens, pois ao sermos apresentados ao Estêvão, por exemplo, ficava fácil saber o que iria lhe acontecer… Sem falar que, para quem conhece a história narrada no livro de Atos dos Apóstolos, tudo se torna muito previsível. Infelizmente o filme foi exibido dublado, apesar da rede de cinema ter vendido e anunciado cópia legendada. O filme foi dublado pelo estúdio Wan Macher e conta com vozes de peso como Marco Ribeiro (dublador do Woody em Toy Story, e o Tony Stark). Sou fã do trabalho dele, mas ver o Woody sendo o Paulo não dá né…

FICHA TÉCNICA
Meu Nome é Paulo (My Name Is Paul)
Estreia: 12/03/2015
Gênero: Ação, Drama
Duração: 100 min.
Origem: Estados Unidos
Direção: Trey Ore
Roteiro: Tara Lynn Marcelle e Vanessa Ore
Distribuidor: Dunamys Films
Classificação: 12 anos
Ano: 2014

Confira o trailer legendado de Meu Nome é Paulo:

quinta-feira, 12 de março de 2015

Golpe Duplo

Golpe Duplo (Focus, 2015), de Glenn Ficarra e John Requa, que também assinam o roteiro, narra as desventuras de uma trupe de golpistas, utilizando o futebol americano e as corridas de carro e cavalos como pano de fundo
O longa apresenta Nicky (Will Smith), um experiente trapaceiro que começa a treinar uma nova parceira, Jess (Margot Robbie), para fazer parte de um grupo de batedores de carteira, que arrecadam milhões com pequenos furtos, num retorno de Will Smith ao mundo do entretenimento, após seus últimos fracassos. A química entre o casal é algo extremamente surpreendente e se destaca durante a projeção.

Enquanto ele ensina a ela os truques do negócio, Jess acaba se aproximando demais de Nicky e ele termina a relação abruptamente, após um golpe milionário aplicado num apostador, durante uma partida de futebol americano. Nicky demonstra estar apaixonado por Jess. Aliás, impossível não se apaixonar pela beleza estonteante de Robbie, que vem tendo destaque em grandes produções, vide O Lobo de Wall Street (The Wolf of Wall Street, EUA, 2013), de Martin Scorsese. Neste filme, ela novamente capricha no visual sedutor.

Três anos mais tarde, Nicky se depara com essa antiga paixão – que agora é uma talentosa femme fatale – quando está em Buenos Aires no meio das altas apostas de um circuito de corrida de carros, o que faz com que ele promova uma reviravolta em seus planos, tendo que aplicar um golpe duplo, ganhar o dinheiro e ficar com sua amada, tornando o esquema ainda mais e perigoso. Nicky negocia com Garriga (Rodrigo Santoro, em uma produção internacional, chamando atenção do público brasileiro).

O filme conta com a consultoria de Apollo Robbins, conhecido como “O Ladrão Cavalheiro”, que ajuda na produção a criar e coreografar truques inéditos. O problema do filme é não ser tão claro aquilo se propõe, sendo capaz de mudar de gênero com uma facilidade grande, de modo que cada ato parece um filme diferente com os mesmos personagens.

FICHA TÉCNICA
Golpe Duplo (Focus)
Estreia: 12/03/2015
Gênero: Suspense, Thriller
Duração: 105 min.
Origem: Estados Unidos
Direção: Glenn Ficarra e John Requa
Roteiro: Glenn Ficarra e John Requa
Distribuidor: Warner Bros. Pictures
Classificação: 14 anos
Ano: 2015

Confira o trailer de Golpe Duplo:

terça-feira, 10 de março de 2015

Kingsman: Serviço Secreto

 Baseado nos quadrinhos de Mark Millar e Dave Gibbons, Kingsman: Serviço Secreto (Kingsman: The Secret Service , 2015), de Matthew Vaughn (Kick Ass e X-Men Primeira Classe), conta a história de uma organização supersecreta que recruta um garoto problemático para o programa de treinamento da agência, enquanto que um perverso gênio tecnológico ameaça o planeta
 
Eggsy (Taron Egerton) é um jovem carismático, embora rebelde, que lida com diversos problemas de disciplina, pois fora criado pela mãe e um padrasto asqueroso. Seu pai verdadeiro pertenceu ao Kingsman, mas morreu em serviço o deixando órfão da figura paterna. Harry (Colin Firth) ao comunicar o falecimento do colega, deixou um contato para eventual emergência. Quando ele só tem direito a uma ligação na delegacia, ele aciona Harry, que o tira da prisão e lhe apresenta à agência de espionagem Kingsman, como seu candidato à vaga disponível.

O jovem se une então a um time de recrutas em busca de uma vaga na agência e logo passa a ajudar Harry a impedir que Valentine (Samuel L. Jackson) cause um alvoroço no planeta. O filme trás um certo frescor às tramas de espionagem, mas sua longa duração atrapalha um pouco, expondo sérios problemas de ritmo, compensados pelas belas cenas de ação (especialmente uma espetacular dentro de uma igreja), pela boa atuação de Firth e Jackson, que rouba a cena sempre que aparece. Merece ser visto.

FICHA TÉCNICA
Kingsman: Serviço Secreto (Kingsman: The Secret Service)
Estreia: 05/03/2015
Gênero: Aventura, Ação, Comédia
Duração: 130 min.
Origem: Estados Unidos, Reino Unido
Direção: Matthew Vaughn
Roteiro: Jane Goldman, Matthew Vaughn
Distribuidor: Fox Film do Brasil
Classificação: 12 anos
Ano: 2015

Confira o trailer de Kingsman: Serviço Secreto:


segunda-feira, 9 de março de 2015

Renascida do Inferno

 Um grupo de estudantes que pesquisa sobre o mapeamento do cérebro humano, criam um soro capaz de trazer à vida, mesmo após a morte, é o efeito do Projeto Lazarus, nome original do longa Renascida do Inferno (The Lazarus Effect, 2015), de David Gelb, inspirado no texto bíblico de João, capítulo 11, que narra sobre a morte e ressurreição de Lázaro
 
Primeiro os estudiosos testam em animais, mas quando um acidente ocorre durante um dos experimentos, a pesquisadora Zoe (Olivia Wilde, a única que se destaca no elenco) sofre uma descarga elétrica e morre dentro do laboratório, e desesperados, o grupo tenta trazê-la de volta à vida e aplicam o medicamento experimental na colega, fazendo com que ela acorde.

Apesar de estar viva, Zoe manifesta um comportamento sobrenatural, como se estivesse possuída por forças malignas, mesmo sintoma apresentado pelo cachorro ressuscitado. Enquanto eles tentam se proteger do perigo, o grupo tenta impedir que Zoe fuja do laboratório e mate as pessoas ao redor. É quando o filme sai dos trilhos e se perde completamente.

Em determinado momento, Zoe começa a utilizar mais o potencial de seu cérebro, lembrando o recente Lucy (Lucy, 2014), de Luc Besson. Apesar da premissa totalmente discutível, a discussão sobre os pontos de vista da ciência versus religião no que diz respeito à morte é interessante, mas perde a força no decorrer da trama que se torna enfadonha e nada assustadora. O roteiro que não explicava no início, deixa muita coisa sem respostas.

O filme termina com um gancho para provável continuação, mas espero que não logre êxito. Que pese a inexperiência do diretor, o filme repleto de clichês de gênero para gerar sustos aleatórios ao longo da projeção, não sendo nem um pouco interessante.

FICHA TÉCNICA
Renascida do Inferno (The Lazarus Effect)
Estreia: 05/03/2015
Gênero: Terror
Duração: 83 min.
Origem: Estados Unidos
Direção: David Gelb
Roteiro: Jeremy Slater e Luke Dawson
Distribuidor: Paris Filmes
Classificação: 14 anos
Ano: 2015

Confira o trailer de Renascida do Inferno:




domingo, 8 de março de 2015

O desafio do Senhor dos exércitos

Neste domingo, 8 de março de 2015, estive com a família em mais um culto da IBC. Ouvimos uma preciosa mensagem sobre Gideão. Estava cansado e não consegui anotar os louvores entoados, nem o que foi ministrado, no entanto, podemos ver e ouvir o que foi ensinado no grande ajuntamento nos links abaixo:

Confira o esboço aqui.

Segue vídeo da mensagem:
O desafio do Senhor dos exércitos from IBC Fortaleza on Vimeo.

1ª Etapa do XI Campeonato Cearense de Orientação

Na manhã deste 8 de março de 2015, fui com a família para a 1ª Etapa do XI Campeonato Cearense de Orientação, na Praia do Balbino, em Cascavel/CE.
Apesar de ser iniciante no esporte, consegui um excelente resultado, terminando a prova na 3ª colocação em minha categoria.
Agora é se preparar para melhorar os resultados nas próximas etapas. A chuva tornou a prova bastante técnica, mas também inesquecível!

sábado, 7 de março de 2015

Sábado da Liderança - Março/2015

Sábado da Liderança - Março from IBC Fortaleza on Vimeo.

Simplesmente Acontece

Perdendo o glamour das comédias britânicas, o longa Simplesmente Acontece (Love, Rosie, 2014) de Christian Ditter reproduz o padrão hollywoodiano das comédias românticas e apesar dos clichês do gênero, consegue obter êxito ao apresentar um casal que tem que enfrentar as intempéries da vida para ficarem juntos
Simplesmente Acontece apresenta um casal de amigos, apaixonados desde a infância, mas que relutam em estarem juntos, e mantêm a paixão em segredo, se envolvendo em outros relacionamentos, e pagando o preço exigido por cada envolvimento amoroso. Rosie (Lily Collins) e Alex (Sam Claflin) dão vida a estes melhores amigos, que são obrigados a se separar quando ele vai estudar nos Estados Unidos e ela descobre estar grávida. Mesmo longe um do outro, eles mantêm o contato com o passar dos anos.
Adaptação do romance Onde Terminam os Arco-Íris, da escritora irlandesa Cecelia Ahern, que já teve outra obra adaptada para o cinema, P.S Eu Te Amo (P.S. I Love You, 2008), de Richard LaGravenese. O filme peca pela falta de originalidade e por não ter uma direção de arte que ajude na transformação dos personagens ao longo dos quase 15 anos da trama, trocando apenas vestuário e o corte de cabelo. A dublagem também atrapalha um pouco a compreensão de algumas falas, até por trazer para sala um público mais “escandaloso”.
A trilha sonora surge o tempo todo envolvendo a plateia, contando com Lily Allen, KT Tunstall, Kate Nash, dentre outros. O casal possui uma boa química, e os coadjuvantes tem participações discretas, porém corretas, especialmente como alívio cômico. Os protagonistas enfrentam traições, casamentos desestruturados, brigas conjugais, divórcios, para então depois de um longo e tenebroso inverno poderem viver juntos e felizes para sempre. A fotografia se destaca, especialmente nas cenas rodadas na Irlanda, terra da autora. O roteiro deixa algumas perguntas em abertos, para dar mais agilidade a trama, não comprometendo tanto o esperado final.

Poster do filme Simplesmente Acontece (Love, Rosie) de Christian Ditter
FICHA TÉCNICA

Simplesmente Acontece (Love, Rosie)

Lançamento: 05/03/2015
Gênero: Comédia Romântica
Duração: 102 min
Origem: Estados Unidos, Reino Unido
Direção: Christian Ditter
Roteiro: Juliette Towhidi
Distribuidor: Imagem Filmes
Classificação: Livre
Ano: 2014

Confira o trailer dublado de Simplesmente Acontece:


terça-feira, 3 de março de 2015

Para Sempre Alice

A retomada do Cinema de Arte, com 52 anos de história, na noite desta terça-feira histórica de 03 de março de 2015, se deu em alto estilo, com uma coletiva de imprensa e a exibição do drama inédito em Fortaleza Para Sempre Alice (Still Alice, 2014) de Richard Glatzer e Wash Westmoreland, que dirigem e assinam o roteiro adaptado do romance de Lisa Genova, lançado no Brasil pela Ediouro
Podemos afirmar que o filme é baseado em fatos reais, pois os diretores, que são gays e casados, queriam expor na tela um problema que estão enfrentando, pois Glatzer foi diagnosticado com a doença, que está com uma evolução rápida. Para Sempre Alice, vale mencionar, estreou no Festival Internacional de Cinema de Toronto 2014, onde Julianne Moore se tornou de cara uma das favoritas ao Oscar de Melhor Atriz.
O longa então expõe de maneira visceral a destruição mental provocada pelo mal de Alzheimer na vida da Dra. Alice Howland (Moore), curiosamente uma renomada professora de linguística que é atingida por uma doença que aos poucos desfaz sua capacidade de “alcançar” as palavras em sua mente. O filme mostra de maneira singela, os primeiros sinais da doença, quando ela começa a esquecer de certas palavras e se perder pelas ruas de Manhattan.
Ela então procura ajuda médica de um neurologista e é diagnosticada com Alzheimer. A partir de então, Alice precisa receber o apoio da família, mas por se tratar de uma doença transmitida geneticamente, ela precisa repassar essa informação aos três filhos, para que eles façam exames e descubram se terão ou não a doença. A cena em que Alice se reúne com a família para tratar da situação é comovente. Um detalhe, é que a câmera sempre perto do rosto da personagem principal, aos poucos vai se afastando dela com a evolução do quadro da doença.

A relação de Alice com o marido, John (Alec Baldwin), se torna frágil, mas ela é sólida o bastante para permanecer firme. Anna Howland-Jones (Kate Bosworth), parecidíssima com Moore, está tentando engravidar através de inseminação artificial, descobre que possui o gene da doença e consegue impedir que ele fosse repassado aos gêmeos que ela vêm a conceber. Sua outra filha, Lydia (Kristen Stewart), que no início do longa está distante da mãe em função do seu trabalho de atriz, vai se aproximando e termina o longa como a principal companhia da mãe, que devido a doença, só consegue viver o momento. Aliás a beleza e atuação de Stewart nesse drama estão surpreendentes.

Este filme merecidamente coroou Julianne Moore como Melhor Atriz recentemente no Oscar 2015, além de ter ganhado o Globo de Ouro, o SAG Awards e o BAFTA, as principais premiações da temporada. Ela entrega uma atuação primorosa, muito verdadeira e corajosa. Os coadjuvantes também estão muito bem, fazendo com o público possa se identificar com suas personalidades tão diversificadas, que comprovam que cada ser humano é único. Deve ser visto por médicos, pacientes e especialmente familiares que tem que conviver com um paciente diagnosticado com Alzheimer.

FICHA TÉCNICA
Para Sempre Alice (Still Alice)
Lançamento: 12/03/2015
Gênero: Drama
Duração: 101 min
Origem: Estados Unidos
Direção: Richard Glatzer, Wash Westmoreland
Roteiro: Richard Glatzer, Wash Westmoreland
Elenco: Julianne Moore, Alec Baldwin, Kristen Stewart, Hunter Parrish, Kate Bosworth
Distribuidor: Diamond Films Brasil
Classificação: 14 anos

Confira o trailer de Para Sempre Alice:




Compartilhar