terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

A Lei da Noite


Drama A Lei da Noite (Live by Night, EUA, 2016), de Ben Affleck é piegas e cansa em sua proposta de filme noir, sem o frescor do gênero de crime que já consagrou De PalmaCoppola e Scorsese, só para citar alguns. Baseado no no premiado romance Os Filhos da Noite de Dennis Lehane, que é o mesmo autor do livro que inspirou o primeiro longa de Ben Affleck o excelente Medo da Verdade (Gone Baby Gone, 2007).

O filme se passe em Boston, na turbulenta década de 1920, quando a proibição da Lei Seca americana não interrompeu o fluxo de bebidas em estabelecimentos ‘underground’ dirigidos por mafiosos de boa lábia. é aí que conhecemos Joe Coughlin (Ben Affleck), filho mais novo do Superintendente da Polícia de Boston, que há muito tempo deixou para trás sua rígida educação para sucumbir à adrenalina de ser um fora-da-lei. Ele vê a oportunidade de ganhar poder e dinheiro à disposição para qualquer homem com ambição e nervos suficientes para se envolver com o crime organizado.. 

Mas, mesmo entre criminosos há regras, e Joe desobedece a maior delas: trair duplamente um poderoso chefão da máfia, roubando seu dinheiro e sua mulher. O romance ardente termina em tragédia, e Joe começa a trilhar uma rota de vingança, em que ambição, romance e traição o levam do submundo de Boston para os degraus esfumaçados dos porões de contrabando de rum na cidade de Tampa. E o filme ainda se torna equivocado, ao colocar esse personagem como narrador da história.

O filme produzido por Leonardo DiCaprio é tão desinteressante, que nem os grandes nomes que compõem a equipe técnica tem um trabalho reconhecido. Dá vontade de deixar a sala escura no meio dos tiroteios à esmo que ocorrem ao longo da projeção, mas as balas que não acertam o personagem de Affleck eram capazes de pegar em mim se fosse descendo a escadaria da sala escura...

Segue trailer de A Lei da Noite:

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

2 aninhos do João Lucas


Na noite deste 27 de fevereiro de 2017, plena segunda-feira carnavalesca, estive com a família na celebração de aniversário de 2 anos do João Lucas, que foi um baile à fantasia de carnaval!

Os meninos foram vestidos de super herói, eu preferi ir fantasiado de Kaká, com meu manto tricolor...

Cheguei um pouco tarde em função de estar trabalhando, e apesar do cansaço, ainda vi meus meninos se divertindo com serpentinas, papel picado, espuma e muita animação. Teve salgados e doces deliciosos, sem falar do delicioso jantar que me deixou empanzinado!

Oscar 2017


Na noite deste 26 de fevereiro de 2017, domingo de carnaval, apesar do cansaço do trabalho extra que estou realizando aos fins de semana, me sentei com meus filhos para ver a cerimônia do Oscar 2017. Comemos pizza, depois eles dormiram e eu fiquei acompanhado de pipocas...


A cerimônia começou no maior alto astral, com Justin Timberlake cantando Can’t Stop the Feeling, canção indicada pela animação Trolls. Mahershala Ali ganhou o primeiro prêmio da noite, como Ator Coadjuvante em Moonlight: Sob a Luz do Luar. A partir daí, houve uma certa distribuição de prêmios, sobrando Oscars até para Esquadrão Suicida e Animais Fantásticos e Onde Habitam, para Cabelo e Maquiagem e Figurino respectivamente.

Houve uma bela apresentação da canção How Far I’ll Go da animação Moana: Um Mar de AventurasViola Davis foi premiada como Atriz Coadjuvante pelo seu papel em Um Limite Entre Nós e fez um dos mais belos discursos da noite. John Legend cantou uma versão condensada das canções Audition e City Of Stars, ambas de La La Land - Cantando Estações

Casey Affleck foi o melhor ator por Manchester à Beira-Mar. Damien Chazelle se tornou o mais jovem diretor laureado com um oscar por La La Land: Cantando Estações Emma Stone foi escolhida melhor atriz também por La La Land: Cantando Estações.

No entanto, a cerimônia ficará marcada pelo erro no envelope de melhor filme, anunciado por Warren Beatty e Faye Dunaway, que La La Land teria ganho, sendo que o vencedor foi Moonlight. Algo similar ao que aconteceu num recente Miss Universo. Fiquei chateado, pois achei Moonlight um filme constrangedor...

Veja a lista completa de vencedores do Oscar 2017 (em negrito):
Melhor FilmeA Chegada
Até o Último Homem
Estrelas Além do Tempo
Lion: Uma Jornada para Casa
Moonlight: Sob a Luz do Luar
Um Limite Entre Nós
A Qualquer Custo
La La Land: Cantando Estações
Manchester à Beira-Mar
Melhor Diretor
Denis Villeneuve – A Chegada
Mel Gibson – Até o Último Homem
Damien Chazelle – La La Land: Cantando Estações
Kenneth Lonergan – Manchester à Beira-Mar
Barry Jenkins – Moonlight: Sob a Luz do Luar
Melhor Atriz
Isabelle Huppert – Elle
Ruth Negga – Loving
Natalie Portman – Jackie
Emma Stone – La La Land: Cantando Estações
Meryl Streep – Florence: Quem é Essa Mulher?
Melhor Ator
Casey Affleck – Manchester à Beira-Mar
Andrew Garfield – Até o Último Homem
Ryan Gosling – La La Land: Cantando Estações
Viggo Mortensen – Capitão Fantástico
Denzel Washington – Um Limite Entre Nós
Melhor Ator Coadjuvante
Mahershala Ali – Moonlight: Sob a Luz do Luar
Jeff Bridges – A Qualquer Custo
Lucas Hedges – Manchester à Beira-Mar
Dev Patel – Lion: Uma Jornada para Casa
Michael Shannon – Animais Noturnos
Melhor Atriz Coadjuvante
Viola Davis – Um Limite Entre Nós
Naomie Haris – Moonlight: Sob a Luz do Luar
Nicole Kidman – Lion: Uma Jornada para Casa
Octavia Spencer – Estrelas Além do Tempo
Michelle Williams – Manchester à Beira-Mar
Melhor Roteiro Original
A Qualquer Custo
La La Land: Cantando Estações
O Lagosta
Manchester à Beira-Mar
Mulheres do Século 20
Melhor Roteiro Adaptado
A Chegada
Um Limite Entre Nós
Estrelas Além do Tempo
Lion: Uma Jornada para Casa
Moonlight: Sob a Luz do Luar
Melhor Canção Original“Audition (The Fools Who Dream)” – La La Land: Cantando Estações
“Can’t Stop the Feeling” – Trolls
“City of Stars” – La La Land: Cantando Estações
“The Empty Chair” – Jim: The James Foley Story
“How Far I’ll Go” – Moana: Um Mar de Aventuras
Melhor FotografiaA Chegada
La La Land: Cantando Estações
Lion: Uma Jornada para Casa
Moonlight: Sob a Luz do Luar
Silêncio
Melhor FigurinoAliados
Animais Fantásticos e Onde Habitam
Florence: Quem é Essa Mulher?
Jackie
La La Land: Cantanto Estações
Melhor Maquiagem e Cabelo
Um Homem Chamado Ove
Star Trek: Sem Fronteiras
Esquadrão Suicida
Melhor Mixagem de SomA Chegada
Até o Último Homem
La La Land: Cantando Estações
Rogue One: Uma História Star Wars
13 Horas: Os Soldados Secretos de Benghazi
Melhor Edição de Som
A Chegada
Horizonte Profundo: Desastre no Golfo
Até o Último Homem
La La Land: Cantando Estações
Sully: O Herói do Rio Hudson
Melhores Efeitos VisuaisHorizonte Profundo: Desastre no Golfo
Doutor Estranho
Mogli – O Menino Lobo
Kubo e as Cordas Mágicas
Rogue One: Uma História Star Wars
Melhor Design de Produção
A Chegada
Animais Fantásticos e Onde Habitam
Ave César!
La La Land: Cantando Estações
Passageiros
Melhor Montagem
A Chegada
Até o Último Homem
A Qualquer Custo
La La Land: Cantando Estações
Moonlight: Sob a Luz do Luar
Melhor Trilha Sonora
Jackie
La La Land: Cantando Estações
Lion: Uma Jornada para Casa
Moonlight: Sob a Luz do Luar
Passageiros
Melhor Animação
Kubo e as Cordas Mágicas
Moana: Um Mar de Aventuras
Minha Vida de Abobrinha
A Tartaruga Vermelha
Zootopia: Essa Cidade é o Bicho
Melhor Documentário
Fogo no Mar
Eu Não Sou Seu Negro
Vida, Animada
O.J.: Made in America
A 13ª Emenda
Melhor Filme Estrangeiro
Terra de Minas (Dinamarca)
Um Homem Chamado Ove (Suécia)
O Apartamento (Irã)
Tanna (Austrália)
Toni Erdmann (Alemanha)
Melhor Curta-Metragem (Ficção)
Ennemis Intérieurs
La Femme et le TGV
Silent Nights
Sing
Timecode
Melhor Curta-metragem (Animação)
Blind Vaysha
Borrewed Time
Pear Cider and Cigarettes
Pearl
Piper
Melhor Curta-Metragem (Documentário)
Extremis
4.1 Miles
Joe’s Violin
Watani: My Homeland
The White Helmets 

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Moonlight: Sob a Luz do Luar


Badalado drama Moonlight - Sob a Luz da Lua (Moonlight, EUA, 2016), de Barry Jenkins, baseado na peça In Moonlight Black Boys Look Blue, de Tarell McCraney e produzido pelo Brad Pittdeve causar frisson em quem curte temas relacionados com a diversidade sexual, mas gera certo constrangimento num espectador comum.

O filme dividido em três capítulos (i. Pequeno, ii. Chiron e iii. Preto) apresenta três momentos da vida de Chiron, um jovem negro morador de uma comunidade pobre de Miami. Desde o bullying sofrido na infância, passando pela crise de identidade da adolescência e a tentação do universo do crime e das drogas, sendo um estudo de personagem que narra a vida de um jovem afro-americano desde a infância até a vida adulta e a luta dele para encontrar seu lugar no mundo, similar ao apresentado por Richard Linklater em Boyhood: Da Infância à Juventude (Boyhood, 2014), mas sem a mesma consistência desta obra-prima.


Chiron (
Alex R. Hibbert (i), Ashton Sanders (ii) e Trevante Rhodes (iii)) trilha uma jornada de autoconhecimento enquanto tenta escapar do caminho fácil da criminalidade e do mundo das drogas de Miami. Ele não tem o afeto de sua mãe, encontrando amor em locais inesperados, como em Juan (Mahershala Ali), chefe do tráfico e sua esposa Teresa (a belíssima Janelle Monáe), ou em Kevin (Jaden Piner (i), Jharrel Jerome (ii) e Andre Holland(iii)), seu colega de infância.


Vendido como uma história atemporal de relações humanas e autoconhecimento, o drama apresenta um retrato da vida contemporânea de um afro-americano, propondo uma reflexão intensa e pessoal sobre identidade, família e amizade, uma produção independente, que não chega a ser inovadora, e está sendo mais comentada que o necessário. Algumas cenas são constrangedoras, uma na praia quando Kevin acaricia Chiron e a cena do restaurante também envolvendo os dois.

É bem verdade que as atuações estão boas, o elenco se mostra competente, a direção de Barry Jenkins é segura, mas eu não estava preparado para ver um 
O Segredo de Brokeback Mountain (Brokeback Mountain, 2005)Indicado a oito Oscar (Melhor Filme, Diretor (Barry Jenkins), Ator Coadjuvante (Mahershala Ali), Atriz Coadjuvante (Naomie Harris), Roteiro Adaptado, Fotografia, Edição e Trilha Sonora), deve ser laureado apenas com o de Ator Coadjuvante para Mahershala Ali. O longa venceu o Globo de Ouro 2017 de Melhor Filme de Drama.

Veja o trailer de Moonlight - Sob a Luz da Lua:

A Grande Muralha


Épico de ação A Grande Muralha (The Great Wall, China/EUA, 2016), de Zhang Yimou não impressiona o tanto que deveria, mas entrega um resultado honesto em sua proposta fílmica. Não podemos negar a influência da bilheteria chinesa nos cinemas, de modo que muitas produções já são realizadas pensando no mercado chinês. O filme é provavelmente a maior produção em todos os tempos filmada inteiramente na China, além de ser um dos mais caros filmes chineses já feitos. Um legítimo Blockbuster chinês.

O filme se passa no século XV, mostrando um grupo de soldados britânicos que está combatendo na China, e agindo como mercenários à procura do pó preto, a pólvora, quando se deparam com o início das construções da Grande Muralha. Aos poucos, eles percebem que o intuito não é apenas proteger a população do inimigo mongol e que a construção esconde na verdade um grande segredo.

Protagonizado por Matt Damon que tem o carisma necessário para uma produção deste porte e com direção de Zhan Yimou o mesmo de Herói (Hero, 2002) e O Clã das Adagas Voadoras (House of Flying Daggers, 2004), contando uma história de honra que se passa na estrutura mais icônica do mundo. Questões envolvendo sacrifício e a disciplina oriental também compõem o pano de fundo do longa, que indiretamente diz que um soldado ocidental sozinho é tão ou mais competente que um batalhão chinês.

O elenco conta com nomes como Jing Tian, Pedro Pascal, Willem Dafoe e Andy Lau, que não se destacam, mas cumprem seu papel. O filme conta com diversos efeitos, muitos deles em 3D, que embora não sejam necessários, dá certa profundidade em algumas cenas, especialmente quando flechas são lançadas nos inimigos, os monstros fantasiosos que tiram um pouco da realidade do longa.

Confira o trailer de A Grande Muralha:

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

A Cura


Thriller A Cura (A Cure for Wellness, Alemanha/EUA, 2016), de Gore Verbinski vendido como uma fantasia misteriosa que acaba sendo um filme extremamente chato e entediante, demorando em sua metragem, nos deixando tão incomodados quando o personagem principal. 

O título original "uma cura para o bem-estar" soa prepotente. E o filme se perde em suas próprias ambições, ao apresentar um jovem e ambicioso executivLockhart (Dane DeHaan) é enviado para buscar o CEO de sua empresa em um "centro de bem-estar" idílico, mas misterioso, em um local remoto nos Alpes suíços. Ele logo suspeita que os tratamentos milagrosos do spa não são o que parecem. Quando ele começa a desvendar os segredos aterrorizantes do lugar, sua sanidade é testada e ele é diagnosticado com a mesma curiosa doença que mantém todos os convidados ali à espera da cura.

Veja o trailer de A Cura:

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

12 Anos de Sara Rodrigues


Hoje a sobrinha mais amada por esse tio bobo faz aniversário... Tio ama, educa, orienta e fica preocupado com os bodes que vão começar a espiar minha cabritinha... À noite, nos reunimos em família para estar celebrando essa data tão querida.

Que Deus conceda saúde, e muitas felicidades a vc Sarinha!!!

Velório e sepultamento de Graça Ellert Dal Castel


Na tarde deste 20 de fevereiro de 2017, estive no velório da amiga Graça Ellert Dal Castel, prestando consolo as suas filhas, familiares e amigos que estiveram ali para prestar uma última homenagem a Graça. O velório ocorreu na funerária Anjo da Guarda, ali na Jovita Feitosa e a família orientista esteve presente, como ficou demonstrado nas coroas de flores que embelezaram o local.

Graça me pareceu tão pequena dentro do caixão, que não ficarei com essa imagem dela, pois ela era gigante. Mulher batalhadora, de garra e vitoriosa, que nos deixou um belo exemplo de vida. A cerimônia teve início por volta das 15h, com lindos louvores sendo entoados e cantados. O amigo Marcos Galvão deu uma breve palavra após a leitura de um texto bíblico. O Pr. Pedro também esteve presente e conduziu um momento ressaltando o lado espiritual do momento de tristeza.

Por volta das 16:30h partimos em comboio até o cemitério Memorial Ternura, onde Graça foi sepultada no final de uma tarde nublada. "A tristeza é melhor do que o riso, porque o rosto triste melhora o coração." (Eclesiastes, 7:7) 
A família orientista, já se prontificou em fazer um treino solidário, para arrecadação/doação de valores às filhas da Graça. Peço a Deus que dê força às meninas nesse momento de luto.





Graça Ellert Dal Castel



Nesta manhã chuvosa de 20 de fevereiro de 2017, nossa amiga Graça Ellert Dal Castel nos deixou após lutar contra um câncer terminal. Perdemos uma guerreira, mas temos o exemplo de dedicação e luta. Tenho a convicção que ela marcou todos os prismas em sua existência e cruzou a linha de chegada vitoriosa. Certamente será premiada nos lares celestiais.


Ficarei com as lembranças de sua alegria nos treinos e nas provas que participamos, embora só tenhamos nos cruzados em alguns poucos momentos, eles foram sempre marcantes. Recentemente, estivemos na Copane, e tive inclusive o privilégio de fotografá-la no meio do percurso (foto acima)... Logo que comecei a prática esportiva da orientação, me recordo que a conheci, e ela lutava contra um câncer de mama, sendo que apesar de não competir, estava sempre nas provas, com sua animação e disposição em ajudar. Sempre muito acolhedora, tinha na alegria uma marca registrada.

Imagem retirada do Facebook de Amanda Ávila

Os céus de Fortaleza choram o falecimento da nossa amiga. Temos a certeza que o sol voltará a brilhar e nos iluminará como a Graça fazia com seu sorriso. Que Deus através do Espírito Santo esteja consolando suas filhas.

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Reunião de planejamento 2017 CODL


Na noite deste 18 de fevereiro de 2017, nos reunimos no ap da Allana e do Daniel Scopel para tratarmos de assuntos relacionados ao Clube de Orientação Desporto e Lazer - CODL.

Debatemos a eleição de nossa diretoria, o regulamento das competições 2017, especialmente do Campeonato Cearense de Orientação, o CCO, o uniforme do clube e assuntos diversos relacionados a orientação no Ceará.

A reunião foi movida a pizzas vegetarianas (marguerita e quatro queijos), carne do sol e calabresa. A grande novidade da reunião, foi o convite que recebi para ser secretário do Clube! Claro que o convite foi prontamente aceito, para que possa retribuir aí clube o bem que ele tem feito por mim...

E já dei uma sugestão: aumentar a taxa de anuidade do clube, afinal o terceiro colocado do CCO 2016 não vai crescer se continuar com uma anuidade de apenas R$ 20,00 de seus filiados... Transparência, franqueza, diálogo e comprometimento são alguns dos valores que me guiarão nessa jornada. E você? Está esperando o quê para se filiar ao Clube de Orientação mais amado por este que vos convida? Faça parte você também dessa aventura que é praticar o esporte da família.

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Resident Evil 6 – O Capítulo Final


Sexto filme da franquia de games da Capcom, que conseguiu certa popularidade nos cinemas, Resident Evil 6 – O Capítulo Final (Resident Evil – The Final Chapter, França/Alemanha/Canadá/Austrália, 2016), de Paul W.S. Anderson, tem um ritmo alucinante, um vilão caricato interpretado pelo ator , conhecido pelo seu papel em Game Of Thrones e efeitos que apesar de contribuir para história, não trazem nada de novo.

Apesar de ter sido anunciado como o capítulo que encerra a franquia, o filme deixa brecha para continuidade. Nele temos de volta Milla Jovovich, que sustenta a trama no papel que a consagrou junto ao público, e Ali Larter, que esteve no terceiro e no quarto (que contou com excelentes efeitos em 3D). Na trama, Alice (Milla Jovovich), sobrevivente do massacre zumbi, retorna para onde o pesadelo começou, Raccoon City, onde a Umbrella Corporation reúne suas forças para um ataque final contra os remanescentes do apocalipse. 

Assim, para vencer a dura batalha final e salvar a raça humana, a heroína recruta velhos e novos amigos que surgem do nada, nos fazendo se sentir literalmente num jogo de vídeo game, sendo que não somos os players, e convenhamos que ver Paul W.S. Anderson jogar não é muito convidativo. Mas o maior problema do filme é o ritmo acelerado, que apesar dos inúmeros sustos que propõe a plateia, não tem conteúdo suficiente para prender a atenção de quem está noutro ritmo. 

Assista ao trailer de Resident Evil 6 – O Capítulo Final:
https://www.youtube.com/shared?ci=ohgXqJI58yU

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Manchester à Beira-Mar


Indicado ao Oscar em seis categorias, drama Manchester à Beira-Mar (Manchester by the Sea, EUA, 2016), de Kenneth Lonergan é carregado de emoções e sentimentos e fez jus à expectativa criada em torno de seu lançamento. 

Nas cenas iniciais vemos Lee Chandler (Casey Affleck) vivendo literalmente na merda, ou pelo menos lidando diretamente com ela. Ele reside num quartinho apertado, tendo que limpar a neve quase que diariamente para entrar em seu aposento. Seu trabalho é de zelador de um condomínio com quatro prédios, tendo que lidar com as mais diversas situações envolvendo desentupimentos, vazamentos, encanamentos com defeitos e até com a paquera de alguns moradores.

Mas Lee é uma pessoa ranzinza, introspectiva e até certo ponto intolerante, pois não suporta sequer ser encarado em um bar.  Até que um dia ele se vê forçado a retornar para sua cidade natal tendo que ser o tutor de seu sobrinho adolescente após seu irmão Kyle Chandler falecer precocemente. Com isso, Lee precisa enfrentar as razões que o fizeram ir embora e deixar sua família para trás, anos antes. O mérito do filme é ir aos poucos, apresentando os flashbacks que nos fazem aprofundar na história de Lee e nos deixam claro qual o trauma que ele carrega consigo e que o fez inclusive se separar da esposa (Michelle Williams). Méritos para o excelente roteiro que é profundo e com as camadas sempre tiradas no momento certo. 

A montagem também é muito boa, conduzindo a história sem deixá-la cair no marasmo, sendo bastante objetiva. As descobertas nos fazem compreender o tamanho do desafio que foi para Lee ter que enfrentar seus traumas, voltando a sua cidade natal para sepultamento de seu irmão e tendo que lidar com o desafio imposto pelo defunto em seu testamento.

O filme tem momentos marcantes, especialmente as cenas onde o sobrinho tenta sem sucesso ter relações sexuais. Outra cena que destaco é quando tio e sobrinho estão no carro e afirmam que são cristãos... Além disso, o filme desperta alguns questionamentos, principalmente em como lidar com a situação de luto? Como reagir diante da perda de entes queridos? E como lidar com traumas? O filme não trás respostas, mas aponta caminhos e nos leva a refletir sobre a vida que segue, independente dos acontecimentos que estamos sujeitos a vivenciar.

Filme concorre a de Melhor Filme, Diretor (Kenneth Lonergan), Ator (Casey Affleck), Ator Coadjuvante (Lucas Hedges), Atriz Coadjuvante (Michelle Williams) e Roteiro Original. Deve ganhar melhor ator.

Assista ao trailer de Manchester à Beira-Mar:

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Redemoinho


Filme nacional Redemoinho (Brasil, 2016), de José Luiz Villamarim, que é típico cinema nacional que tanto gostaria que tivesse mais espaço de exibição, ao invés do predomínio das comédias "globochanchada".

Trata-se de um filme de diálogos, logo não é um filme popular e é perceptível a insatisfação do público ao surgirem os créditos na tela. O filme apresenta Luzimar (Irandhir Santos) e Gildo (Júlio Andrade) dois grandes amigos de infância, que se reencontram depois muitos anos afastados. Eles cresceram juntos em Cataguases, interior de Minas Gerais. Luzimar nunca saiu de sua cidade e trabalha numa fábrica de tecelagem. Gildo mudou-se para São Paulo onde acredita ter se tornado um homem mais bem sucedido. Na noite de Natal, Luzimar e Gildo se confrontam com o passado e, num intenso mergulho em suas memórias, partem para um arriscado acerto de contas.

O grande mérito do filme são seus efeitos sonoros, que se fazem presente o tempo inteiro, seja com as máquinas da tecelagem ou com o trem passando... E o mais interessante é que o filme mostra sempre a perspectiva de Luzimar, até mesmo quando este tira seu aparelho auditivo. A falta de uma conclusão óbvia pode até incomodar, mas na vida, nem tudo é justificável ou as explicações são plausíveis... Em determinado momento, ficamos ouvindo literalmente a discussão de dois bêbados...

Gostaria de ter visto o aprofundamento do debate entre a vida interiorana e a vida na capital. Destaque também para o talentoso elenco e para o trabalho de direção de Villamarim, que já era elogiado na TV e mostra aqui a que veio.

Confira o trailer de Redemoinho:

Minha Mãe é Uma Peça 2


Comédia nacional Minha Mãe é Uma Peça 2 (Brasil, 2016) de César Rodrigues é a continuação do sucesso de público e bilheteria Minha Mãe é Uma Peça (Brasil, 2013) de André Pellenz que repete a dose de divertir o público com situações inusitadas envolvendo a figura materna.

O filme mostra que a mãe mais divertida do Brasil tornou-se apresentadora de TV, ficou famosa, mudou de endereço, de status econômico… mudou quase tudo, só não mudou a si mesma. Dona Hermínia (Paulo Gustavo) continua hilária, irreverente e muito preocupada com os problemas da família: Marcelina (Mariana Xavier) e Juliano (Rodrigo Pandolfo) que resolvem conquistar a liberdade e sair de casa. Garib (Bruno Bebianno) chega com o neto, e para completar, a irmã Lucia Helena (Patrycia Travassos), ovelha negra da família, que mora há anos em Nova York, resolve fazer uma longa visitinha.

O filme tem alguns claros problemas de roteiro e continuidade. O menino com o braço engessado que aparece e some com justificativas pouco plausíveis, a irmã que aparece de repente em alguns momentos. No entanto, o filme cumpre seu papel, conta com bons momentos de drama e ainda diverte, especialmente numa cena onde a família está brincando de "Pessoa e Lugar" ou "Adedônia" que é hilária! Vale à diversão...

Veja o trailer de Minha Mãe é Uma Peça 2:

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Aniversário da Simone


Neste 13 de fevereiro de 2017, celebramos mais um ano de vida da Simone.

Sou grato a Deus pelo privilégio de ter a tia Simone no convívio e ainda mais agora que ela virou universitária, assim como seu filho... Muita saúde e felicidades Simone!

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Acaso? Sorte? Ou seria cuidado de Deus?

Na tarde deste 12 de fevereiro de 2017, tive a oportunidade de novamente estar num culto na IBC. Foi minha primeira vez nesse ano de 2017, que consegui ir ao culto, pois estou com meus finais de semana dedicados a trabalho para o sustento da família... Mas tenho a convicção que não foi por acaso...

Após deixar as crianças no GF, foi o primeiro domingo de um novo semestre... Chegamos à tenda, meio deslocados, pois onde nos sentimos à vontade é no cuidado com as crianças... E ainda pegamos o final de um louvor e a parte de avisos e ofertas conduzidos pelo Yohan... Foi exibido um vídeo do Congresso Transmissão, que tive a felicidade de participar em 2016, mas que não poderei repetir nesse ano...

Quando o Pr. José Edson sobe ao palco, toca a música Epitáfio dos Titãs, enquanto é exibido um vídeo com diversas situações de livramento divino. E como a letra diz: "O Acaso vai me proteger, enquanto eu andar distraído..."

Foi feito uma leitura do livro de Gênesis, capítulo 40 e um tema proposto para reflexão: Um prisioneiro, um copeiro e um padeiro. Em seguida uma breve retrospectiva da história de José: vendido como escravo, servo na casa de Potifar, caluniado por uma mulher e preso injustamente.

Romanos 12:17-21 - A ninguém torneis mal por mal; procurai as coisas honestas, perante todos os homens. Se for possível, quanto estiver em vós, tende paz com todos os homens.
Não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira, porque está escrito: Minha é a vingança; eu recompensarei, diz o Senhor. Portanto, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas de fogo sobre a sua cabeça. Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem.
1 Pedro, 2: 20 - Pois, que vantagem há em suportar açoites recebidos por terem cometido o mal? Mas se vocês suportam o sofrimento por terem feito o bem, isso é louvável diante de Deus.

Isaías 55:8-9 - Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o Senhor.
Porque assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos.
O pastor frisou que no meio das dificuldades não podemos nos distanciar de Deus.

Marcos 10:43-44 - Mas Jesus, chamando-os a si, disse-lhes: Sabeis que os que julgam ser príncipes dos gentios, deles se assenhoreiam, e os seus grandes usam de autoridade sobre eles; Mas entre vós não será assim; antes, qualquer que entre vós quiser ser grande, será vosso serviçal;


Gênesis 39:21-22 - O Senhor, porém, estava com José, e estendeu sobre ele a sua benignidade, e deu-lhe graça aos olhos do carcereiro-mor.
E o carcereiro-mor entregou na mão de José todos os presos que estavam na casa do cárcere, e ele ordenava tudo o que se fazia ali.

O próprio carcereiro reconhecia a integridade de José, que mesmo num momento pessoal difícil, Deus usa José para ser relacional de modo que ele percebeu o semblante do copeiro e do padeiro.
Gato escaldado tem medo de água fria... Por causa de um sonho, José fora jogado num buraco e vendido como escravo... E esses homens vem com história de sonhos...

José coloca o foco no Senhor, informando que Dele vem a interpretação

Pr. José Edson citou frase de C S Lewis "Deus sussurra em nossos ouvidos por meio de nosso prazer, fala-nos mediante nossa consciência, mas clama em alta voz por intermédio de nossa dor; este é seu megafone para despertar o homem surdo...."

Só Deus pode nos assistir em todas as nossas dificuldades.

Jó 5:17-18 - Eis que bem-aventurado é o homem a quem Deus repreende; não desprezes, pois, a correção do Todo-Poderoso.
Porque ele faz a chaga, e ele mesmo a liga; ele fere, e as suas mãos curam.
José pede que o copeiro lembre de José, quando estivesse com faraó... Mas ele se esqueceu, só lembrou de José dois anos depois, quando o faraó teve um sonho...

Gênesis 41:9-14 - Então o chefe dos copeiros disse ao faraó: “Hoje me lembro de minhas faltas.
Certa vez o faraó ficou irado com os seus dois servos e mandou prender-me junto com o chefe dos padeiros, na casa do capitão da guarda. Certa noite cada um de nós teve um sonho, e cada sonho tinha uma interpretação. Pois bem, havia lá conosco um jovem hebreu, servo do capitão da guarda. Contamos a ele os nossos sonhos, e ele os interpretou, dando a cada um de nós a interpretação do seu próprio sonho. E tudo aconteceu conforme ele nos dissera: eu fui restaurado à minha posição e o outro foi enforcado”. O faraó mandou chamar José, que foi trazido depressa do calabouço. Depois de se barbear e trocar de roupa, apresentou-se ao faraó.
Como será esperar por tanto tempo a restauração divina? José teve a paciência necessária...

Gênesis 41:15-16 - O faraó disse a José: “Tive um sonho que ninguém consegue interpretar. Mas ouvi falar que você, ao ouvir um sonho, é capaz de interpretá-lo”. Respondeu-lhe José: “Isso não depende de mim, mas Deus dará ao faraó uma resposta favorável”.

Mas José novamente aponta para Deus como o solucionador do problema. José cumpriu a missão de amar a Deus, amar o próximo (copeiro e padeiro) e proclamá-lo. Deus o colocou numa posição de autoridade. José casou, teve dois filhos Manassés e Efraim. Deus o fez esquecer e prosperar, significado do nome de seus filhos... 

Gênesis 41:51-52 - E chamou José ao primogênito Manassés, porque disse: Deus me fez esquecer de todo o meu trabalho, e de toda a casa de meu pai.
E ao segundo chamou Efraim; porque disse: Deus me fez crescer na terra da minha aflição.

O pecado gera medo é ansiedade. Foi isso que os irmãos de José sentiram. Mas Deus agiu na vida de José. Nada pode nos separar do amor de nosso Deus.

Concurso Público para Servidor Técnico-Administrativo da FUNECE

Na manhã deste domingo, 12 de fevereiro de 2017, estive no Colégio da Polícia Militar, realizando as Provas Objetivas do Concurso Público para Servidor Técnico-Administrativo da FUNECE.

Foram 50 questões, sendo 10 de Português, 10 de Atualidades, 10 de Informática e 20 de Conhecimentos Específicos. Achei que fiz uma boa prova... Fui o último a sair da sala, com dois concorrentes que ficaram lá me esperando...

Segue link da prova. Segue gabarito preliminar. E minha folha de respostas.

Update de 14/03/2017

Nesta data, saiu o resultado dos recursos das provas.
Na disciplina Atualidades (questões de 11 a 20 - nível superior e nível médio) houve anulação das questões 13 e 17. A questão 13 foi anulada mediante um recurso por mim formalizado. Afinal CINEMA é artes visuais e não artes cênicas!
Na prova de Conhecimentos Específicos de Assistente de Administração (questões de 31 a 50 - nível médio) houve anulação das questões 40, 41 e 50, nos 4 gabaritos oficiais preliminares divulgados no dia 13/02/2017.

Então, ao invés de 6 erros, fiquei com apenas 3 erros. Agora é esperar a lista de classificação que será publicada em 05/04/2017. Agora 8 questões anuladas, é muita coisa... São 49 vagas, é aguardar para ver!

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Lego Batman - O Filme


Animação Lego Batman - O Filme (The LEGO Batman Movie, Dinamarca/EUA, 2017), de Chris McKay diverte o espectador ao longo de sua duração, com um sarcasmo pertinente e hilário em diversos momentos, especialmente quando o homem morcego faz piada sobre sua própria história, como quando cita a série de TV dos anos 1960.

Com o mesmo espírito irreverente e divertido de Uma Aventura LEGO (The Lego Movie, 2014) de Phil Lord e Chris Miller que foi um fenômeno global, tendo recebido elogios do público e da crítica. Nesta animação há citações a trilogia O Cavaleiro das Trevas, de Nolan, e até do controverso Batman vs Superman: A Origem da Justiça, respeitando todo o legado criado por Bob Kane e Bill Finger e os fãs do herói mais popular dos cinemas, com todas as referências possíveis à história do personagem, nas telas e nos quadrinhos. Destaco aqui as cutucadas dadas ao homem de ferro.

Dessa vez, o egocêntrico e solitário Batman (dublado por Duda Ribeiro no Brasil) precisa aprender a trabalhar em grupo para salvar Gotham City. Apesar disto, ele curte bastante o posto de celebridade e o fato de sempre ser chamado pela polícia quando surge algum problema - que ele, inevitavelmente, resolve. Quando o comissário Gordon se aposenta, quem assume em seu lugar é sua filha Barbara Gordon/Batgirl (dublado por Guilene Conte na versão brasileira), que deseja implementar alguns métodos de eficiência de forma que a polícia não seja tão dependente do Batman. O herói, é claro, não gosta da ideia, por mais que sinta uma forte atração por Barbara. Paralelamente, o Coringa elabora um plano contra o Homem-Morcego motivado pelo fato de ter ficado magoado por ele não o reconhece como seu maior arquinimigo, aceitando a ajuda do mordono Alfred Pennyworth (dublado por Júlio Chaves no Brasil) e de Robin (dublado por Andreas Avancini no Brasil) seu filho adotivo Dick Grayson que rende piadas sobre os rumores permanentes acerca do relacionamento gay entre Batman e Robin, além da presença de vários personagens de filmes da Warner Bros.

Com roteiro escrito por Seth Grahame-Smith, Chris McKenna, Erik Sommers, Jared Stern e John Whittington, o filme é repleto de um humor frenético, visual colorido e uma mensagem sentimental, mas extremamente honesta sobre a importância da família

Assista ao trailer de Lego Batman - O Filme:

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Estrelas Além do Tempo


Drama biográfico Estrelas Além do Tempo (Hidden Figures, EUA, 2016), de Theodore Melfi narra a incrível história de Katherine Johnson (Taraji P. Henson), Dorothy Vaughn (Octavia Spencer) e Mary Jackson (Janelle Monae), três brilhantes mulheres afro-americanas que trabalharam na NASA e foram os cérebros por trás de uma das maiores operações da História: o lançamento em órbita do astronauta John Glenn, uma conquista fantástica que restaurou a confiança do país, mudou a Corrida Espacial e galvanizou o mundo. 


Filme se passa em 1961, durante a Guerra Fria, quando Estados Unidos e União Soviética disputam a supremacia na corrida espacial ao mesmo tempo em que a sociedade norte-americana lida com uma profunda cisão racial, entre brancos e negros. Tal situação é refletida também na NASA, onde um grupo de funcionárias negras é obrigada a trabalhar a parte. O trio visionário atravessou todas as barreiras de gênero e raça para inspirar gerações para sonhar grande. Amigas de longa data, elas precisam provar sua competência dia após dia, além de lidar com o preconceito arraigado para que consigam ascender na hierarquia da NASA.

O roteiro de Alison Schroeder, Ted Melfi, Lori Lakin Hutcherson é leve, bem humorado e ágil ao apresentar a história das três mulheres de forma orgânica, mostrando a resistência de um pensamento racista, mas que precisa se render ao talento das excelentes pessoas que são expostas na trama. Méritos da montagem que consegue trafegar entre os diversos setores da Nasa onde as amigas trabalham e em nenhum momento perder o foco do filme. Destaco a cena em que as três personagens ficam felizes ao estarem sendo escoltadas por um policial em pleno estado de Vírginia e quando Katherine Johnson está correndo mais de 800 metros para chegar ao banheiro, pois no prédio em que trabalha não existe banheiro para pessoas “de cor”.


A emoção também se faz presente, especialmente na cena onde Mary Jackson está tentando ser a primeira negra a entrar em um colégio para brancos, e com isso tem que convencer o juiz a aceitar seu pedido. E o racismo é derrotado quando  Dorothy Vaughn consegue se tornar supervisora e especialmente quando o personagem de Kevin Costner surge retirando a placa do banheiro de pessoas de cor, sendo extremamente simbólica pelo que representa. 

A trilha sonora de Pharrell Williams, Benjamin Wallfisch e Hans Zimmer tornam o longa um feel good movie, podemos citar a bela canção Runnin que embala as idas de Katherine Johnson ao banheiro. Indicado ao Oscar de Melhor Filme, Atriz Coadjuvante (Octavia Spencer), e Roteiro Adaptado do livro Hidden Figures, de Margot Lee Shetterly.

Confira trailer de Estrelas Além do Tempo:

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Animais Noturnos



Drama/thriller Animais Noturnos (Nocturnal Animals, EUA, 2016) de Tom Ford é pretensioso desde sua cena de abertura com mulheres gordas nuas dançando para a câmera como se fossem líderes de torcida. Como um todo, se mostra confuso e arrastado... Posso até dar um desconto, devido ao cansaço, mas não entendi o propósito da estória baseada na obra Tony and Susan, de Austin Wright.

No enredo, conhecemos Susan (Amy Adams lindíssima como sempre) uma negociante de arte que se sente cada vez mais isolada do parceiro (Armie Hammer) que mesmo estando à bancarrota, ainda realiza viagens desnecessárias apenas para estar com amantes.

Quando Susan recebe um manuscrito de autoria de Edward (Jake Gylenhaal), seu primeiro marido ela passa a desfrutar de sua solidão lendo o texto trágico do livro que acompanha o personagem Tony Hastings, um homem que leva sua esposa (Isla Fisher) e filha (Ellie Bamber) para tirar férias, mas o passeio toma um rumo violento ao cruzar o caminho de uma gangue, numa tosca cena numa estrada escura.

A montagem do filme é interessante, alternando entre a tensa leitura de Susan e seus pensamentos sobre as razões de ter recebido o texto, fazendo com que ela descubra verdades dolorosas sobre si mesma e relembre traumas de seu relacionamento fracassado. Não fez jus a expectativa criada em torno do filme.

Assista ao trailer de Animais Noturnos:



Compartilhar