sexta-feira, 28 de junho de 2019

Soundgarden invade as salas IMAX® da UCI com show lendário da banda


Quem é fã da Soundgarden, a UCI Cinemas tem uma novidade para comemorar em grande estilo o aniversário de 35 anos da banda! No dia 1º de julho, às 20h, o rock vai invadir as salas IMAX® da rede com um famoso show da turnê “King Animal” - primeiro álbum de estúdio em mais de dezesseis anos – em formato de filme. Se você quer garantir o seu ingresso, a pré-venda já começou! Assista ao trailer.


Gravada em 2013 no Teatro Wiltern, em Los Angeles, para a série musical “Live from the Artists Den”, a apresentação reúne 21 músicas do grupo, entre clássicos, hits e inéditas como “Blind Dogs”. Remasterizado especialmente para a exibição nos cinemas, o show tem duas horas e meia de duração e traz a performance da extinta Soundgarden, liderada por Chris Cornell.
As salas IMAX® transformam a experiência em um verdadeiro espetáculo. As telas são quatro vezes maiores do que as de projeção digital comum e geram imagens com muito mais brilho, nitidez e profundidade. Os áudios superpotentes alinhados a laser são mais um diferencial das salas e ficam distribuídos por todo o ambiente através de 24 canais, com 18.000 watts de potência. A tecnologia dos alto-falantes permite identificar a localização específica de cada ruído, possibilitando sensações indescritíveis.

Clientes UNIQUE têm desconto no ingresso e pagam valor de meia-entrada: R$ 25 (meia) e R$ 50 (inteira). Para participar do UNIQUE, basta comprar o cartão em uma das bilheterias dos cinemas e se cadastrar no site do programa (www.ucicinemas.com.br/UNIQUE) para validar a inscrição e obter todas as informações.  Os novos membros recebem um ingresso para usar de 2ª a 5ª nas salas 2D, 3D e UCI XPLUS.

Os ingressos para “Soundgarden: Live from the Artists Den” já estão disponíveis no site da rede (www.ucicinemas.com.br), nos canais Ingresso.com e nas máquinas de autoatendimento no hall dos complexos da UCI.

SERVIÇO
Soundgarden: Live from the Artists Den
Valor: R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia-entrada e clientes UNIQUE)
Horários: segunda, dia 1º de julho, às 20h
Classificação: 14 anos
Locais de exibição na rede UCI: Rio de Janeiro (UCI New York City Center), São Paulo (UCI Anália Franco), Ribeirão Preto (UCI RibeirãoShopping), Fortaleza (UCI Kinoplex Iguatemi Fortaleza) e Recife (UCI Kinoplex DE LUX Shopping Recife)
Para mais informações: http://www.ucicinemas.com.br

quinta-feira, 27 de junho de 2019

80 anos da Lindinha!




Minha avó Lindinha completou 80 anos! E temos motivos para celebrar essa data, pelo simples fato dela estar em nosso meio, apesar da doença que lhe foi acometida, o Alzheimer.




A família se reuniu para um almoço no Floresta, e juntos festejamos a data, pois em 26 de junho de 1939, nascia a Francisca Rodrigues.


Esposa do Zezinho, mãe de quatro filhos, Fernando, Sâmia, Sandra e Simone, que foram criados e educados de forma digna.



Eu já faço parte da geração seguinte, os netos. A primeira foi Sulamita, eu fui o segundo Neto, depois vieram Erissandra, Erivânia, Abner, Saulo e por fim o João Lucas.





Os bisnetos não são tantos, apenas quatro. A primeira foi a Sara, depois o Ariel, o Sahel, e o último foi o Izahel.

Neste 27 de junho, fizemos um culto de ação de graças para celebrarmos com os irmãos em Cristo.


Teve até cortejo dos familiares, além de louvores, poesia, reflexões, sorteio de brindes e um saboroso jantar. Além dos parabéns e de toda uma decoração feita com muito amor e carinho pelos filhos da Francisca.

quarta-feira, 26 de junho de 2019

Lanche da tarde!


De vez em quando rola um lanchinho à tarde no trampo. Turma de reúne, desopila e forra o bucho.

terça-feira, 25 de junho de 2019

Lançamento do Projeto Mais Nutrição



Hoje pude prestigiar o Lançamento do Programa Mais Nutrição, que vai entregar alimentação para entidades cearenses, visando a segurança alimentar e nutricional e também a redução do desperdício de alimentos na Ceasa e outras empresas. 


Na ocasião, foi inaugurada a fábrica onde os produtos serão desidratados e transformados em sopas e polpas de frutas. Muito bom fazer parte dessa história através do Instituto Agropolos do Ceará. No evento, foi servido sucos e sopa.


Cheguei cedo, e já fui conhecendo as instalações, muito bem recepcionado pela Bruna Praciano, minha concunhada que trabalha diretamente no projeto.


Vi alguns dos processos que são realizados no processo de fabricação, desde o recebimento do alimento, até a limpeza e processamento.


Minha sogra esteve presente na solenidade que contou com a presença de autoridades, dentre elas, o governador Camilo Santana e a primeira-dama do Estado Onélia Santana, além de representantes das entidades beneficiadas com a ação.


Após a assinatura e o descerramento da placa, a comitiva seguiu para a fábrica e conheceu os equipamentos e instalações.


Em seguida, foi servida a sopa do projeto, pelos alunos da escola de gastronomia Ivens Dias Branco. Experimentamos bastante sopa!


Antes do término da visita, tietei o governador mais votado do Brasil, que até que se parece comigo.


Segue o convite do lançamento do programa.


sábado, 22 de junho de 2019

Lazer no Clube dos Sargentos da Polícia Militar


Nesse sábado, fui com a família para uma manhã de lazer no Clube dos Sargentos da Polícia Militar.


O Luca mostrou bastante desenvoltura na água, algo raro, pois o Pedro sempre foi um peixinho..



Brinquei bastante com o Luca e o Gabriel, pois o Pedro já está independente e brincando com os amigos.

O clube é um local bem aprazível, apesar de ficar na Av. Francisco Sá, um pouco distante da nossa residência.

A esposa ficou só no apoio, não quis entrar na água.


Foi uma bela manhã de lazer!


sexta-feira, 21 de junho de 2019

Revendo Perdido em Marte


Na tarde desta sexta-feira, revi Perdido em Marte (The Martian, 2015) de Ridley Scott, na Mostra Espacial do Cine São Luiz. Filme baseado no livro homônimo de Andy Weir, que foi um sucesso quando lançado, por conseguir unir popularidade e ciência numa obra que conta a história de um astronauta botânico, que foi esquecido no espaço e decidiu plantar batatas.


O filme não teve comigo o mesmo impacto de outrora, achei um pouco cansativo e enfadonho. Na trama, durante uma missão a Marte, o astronauta Mark Watney (Matt Damon) é uma das primeiras pessoas a caminhar em Marte. Entretanto, devido a complicações causadas por uma tempestade de poeira, Mark é deixado para trás por sua tripulação chefiada por Melissa Lewis (Jessica Chastain) e é dado como morto após ser atingido por uma antena numa feroz tempestade, que fez com que Mark acabasse sendo deixado para trás por sua tripulação. Com apenas poucos suprimentos, Mark conta com sua criatividade e inteligência, e embora as possibilidades e probabilidades estejam todas contra ele, Mark luta para sobreviver sem recursos e sozinho no planeta hostil.

Apenas com suprimentos escassos, Watney deve contar com a sua criatividade, engenho e espírito para subsistir e encontrar uma maneira de sinalizar à Terra que está vivo. A milhões de quilômetros de distância, a NASA e uma equipe de cientistas internacionais trabalham incansavelmente para trazer "o marciano" de volta enquanto seus colegas de tripulação simultaneamente traçam uma ousada, se não impossível, missão de resgate. Conforme essas histórias de incrível bravura se desdobram, o mundo se une para torcer pelo retorno seguro de Watney. Perdido Em Marte conta com um elenco repleto de estrelas que inclui Jessica Chastain, Kristen Wiig, Kate Mara, Michael Pena, Jeff Daniels, Chiwetel Ejiofor e Donald Glover.

Veja o trailer de Perdido em Marte:


quinta-feira, 20 de junho de 2019

Toy Story 4


Quarta animação da franquia, Toy Story 4 [Estados Unidos, 2017], de John Lasseter, Josh Cooley, dá continuidade nas aventuras de Woody, Buzz Lightyear e o resto da turma embarcam em uma viagem com Bonnie e um novo brinquedo chamado Garfinho. Não bastasse a nostalgia, o filme consegue emocionar novamente, nos incentivando a ouvirmos nossa voz interior e a descobrirmos novos propósitos para nossa existência.


Woody sempre teve certeza sobre o seu lugar no mundo e que sua prioridade é cuidar de sua criança, seja Andy ou Bonnie. No entanto, o cawboy não é mais o brinquedo preferido de sua criança, e muitas vezes ele fica esquecido no armário. Mas quando Bonnie vai para seu primeiro dia de aula, e não leva nenhum brinquedo, Woody dá um jeito de ir à escola ajudar sua nova dona e a auxilia na criação de um  um relutante novo brinquedo chamado Garfinho, feito com recicláveis. Bonnie leva seu novo amigo ao seu quarto, ele se acha um lixo e então uma aventura se desenha quando os pais da Bonnie decidem fazer uma viagem e caem na estrada ao lado de velhos e novos amigos mostrará a Woody quão grande o mundo pode ser para um brinquedo. 


A aventura faz com que Woody relembre toda sua trajetória ao lado de Andy e de Bonnie. Mas quando Woody encontra em um antiquário que o faz lembrar-se de Betty, a boneca que pastoreia ovelhas nos primeiros filmes da franquia. Ela virou um brinquedo perdido, que se aventura sem ter um destino específico, explorando as possibilidades de se existir como brinquedo. No prólogo do filme, vimos numa bela cena chuvosa, como ela saiu da rotina de Molly, irmã de Andy.


No entanto, o Garfinho é capturado por Gabby Gabby, uma boneca elegante e educada, mas que tem um problema em sua caixa de voz, que é semelhante à de Woody. Nesse instante, a animação remete a muitos filmes de terror. Gabby Gabby persegue Woody para lhe tirar a caixa de voz. Com tanto terror, especialmente dos bonecos assustadores que ajudam a vilã, o filme usa de alívio cômico um Coelhinho e um Patinho que nos rendem altas gargalhadas, especialmente quando eles narram seus planos.


Precisamos saber lidar com a vida, quando não somos mais protagonistas de nossa existência. A animação explora como os brinquedos se sentem perdidos enquanto tentam viver de modo significativo, seja ao lado de uma criança ou não. Assim, o tema central é encontrar um papel que torne os brinquedos felizes e satisfeitos. Durante uma das cenas pós-créditos, temos a revelação de que Bonnie criou outro brinquedo na escola: a Faquinha, uma versão feminina do Garfinho.

A história dos brinquedos jamais estará terminada. É difícil segurar as lágrimas nos momentos cativantes. A franquia segue firme e revigorante rumo ao infinito e além. A parte técnica do filme é impressionante, ainda mais se compararmos a evolução dos filmes ao longo do tempo.


Veja o trailer de Toy Story 4:


Visitando área da 4ª etapa do CCO 2019


Na manhã deste 20 de junho, fui visitar a área onde será disputada a 4ª etapa do CCO 2019 em Caucaia-CE.

O mapeador Marcos Arsênio apresentou a comitiva três áreas bem distintas entre si, que junto com a área predominantemente urbana irão desafiar os corredores num percurso médio.


Foi uma visita bem proveitosa, para conhecermos a área e termos a certeza de que teremos mais um evento magnífico do nosso esporte.



Estávamos acompanhados do auxiliar Mário Viana, do mapeador Marcos Arsênio, da presidente do Cofort Milena e posteriormente do Diretor Técnico da prova Jorge Ricardo e do Gerente de Logística Paulo Marcelo.



quarta-feira, 19 de junho de 2019

Os Arrais no Teatro Rio Mar Fortaleza

 

Na noite desse 19 de junho, estive em mais um show dos irmãos André e Thiago Arrais em Fortaleza, desta feita no Teatro Rio Mar. Fui com a esposa Mariana e lá encontramos o Adriel e a Nágila.


Comprei os ingressos com dois meses de antecedência, pra garantir lugar na plateia privilegiada que assiste uma apresentação das músicas repletas de poesia e muita inspiração do espírito santo.



O show teve um pequeno atraso e em seguida os irmãos começaram a louvar com De Onde Vem a Paz.

Ouça e veja De Onde Vem a Paz:


Em seguida os irmãos entoaram Deserto e Ele é

Veja um trecho de Deserto:

A partir daí, eles cumprimentaram a plateia e iniciaram um bate papo bem descontraído com o público, que relatava situações marcantes que viveram com a música dos Arrais e faziam pedido musical. Um relato de um jovem que um dia pensou em suicidar-se, mas foi tocado pela canção Mais.

Ouça um trecho de Mais:

Ouvimos também Rojões, e a belíssima Mistério. Após outro relato romântico, pediram uma música antiga que nem Thiago lembrava... Eles cantaram então Caneta e Papel para os casais apaixonados da plateia. Foi da plateia também que surgiram pedidos de Além e Jardim (Canção de Oseias). Não faltou no repertório da dupla Bilhete e Trovão.



O público queria conversa e pedir canções, mas André focou no repertório e cantaram Guerra e Instante. Os relatos de Herança foram mais uma vez marcante, pois o patriarca da família Arrais era um cearense que foi ganhar a vida em São Paulo, como tantos outros. Já no final do show, outro relato emocionante, sobre a canção 17 de janeiro

Veja trecho de 17 de janeiro:

Para finalizar, Esperança não podia faltar. 

Segue set list exclusivo do show Os Arrais em Fortaleza:


terça-feira, 18 de junho de 2019

Filhas do Sol


Drama Filhas do Sol [Les Filles du Soleil, França, Bélgica, Geórgia, Suíça, 2018], de Eva Husson é um belíssimo manifesto feminista, de uma jornalista que acompanhou durante três dias, um grupo de guerreiras do Curdistão, que pegaram em armas contra os grupos que sequestraram, estupraram e venderam mais de sete mil mulheres na região de guerra, em países como Turquia, Irã, Síria e Iraque. O empoderamento feminino nunca esteve tão em alta.


A trama companha Bahar (Golshifteh Farahani) uma advogada que estudou na França, e comanda o batalhão das Filhas do Sol, formado por ex-prisioneiras e escravas sexuais. Esse batalhão composto apenas por mulheres curdas atua ofensivamente na guerra do país. Ela e as suas soldadas estão prestes a entrar na cidade de Gordyene, local onde Bahar foi capturada uma vez no passado. Mathilde (Emmanuelle Bercot) é uma jornalista francesa que está acompanhando o batalhão durante o ataque. O encontro entre as duas mulheres, dentro do cenário caótico que as cercam, irá mudar a vida de ambas permanentemente. Apesar das diferenças culturais, Mathilde e Bahar têm muitas coisas em comum, como o medo, a saudade da família, uma profunda melancolia, causada por tudo o que presenciaram na guerra.

Os curdos são um povo sem Estado, formado por aproximadamente 25 milhões de pessoas e aspira à sua independência política e territorial. A principal religião são muçulmanos sunitas. O conflito armado que está ocorrendo desde 2012 na Síria por parte da população curda desse país contra o governo de Bashar al-Assad e contra grupos jihadistas que atuam no seu território, no contexto da Guerra Civil Síria.

O filme tem um ritmo interessante, cria um clima de tensão absurdo e apesar dos acontecimentos acontecerem apenas em três dias, temos flashbacks que complementam a história, alguns excessivamente longos, mas todos necessários para contextualizar os acontecimentos narrados pelo longa selecionado para competir no Festival de Cannes 2018. Assim, ver o grupo de guerreiras em ação é tão interessante quanto saber as histórias que levaram aquelas mulheres até aquele estágio.

O pano de fundo para “Filhas do Sol” é o massacre de Sinjar, ocorrido em 2014, no qual o Estado Islâmico praticou um genocídio contra os yazidi, uma minoria religiosa monoteísta. O monte Sinjar, no nordeste do Iraque, foi o local escolhido pelo Estado Istâmico (EI) para começar o massacre. Em 3 de agosto de 2014, o EI cercou a área de Sinjar, mantendo os yazidi sem comida ou água durante dias. Mulheres foram separadas dos filhos. Mulheres foram vendidas como escravas sexuais, inclusive, meninas. Estima-se que 5 mil pessoas foram executadas durante o massacre

A diretora fez um belo trabalho, ao dar close nessas mulheres que mostram uma força sobrenatural. O que elas tem o comum? São mães, que tiveram seus filhos mortos ou sequestrados. A coragem que fazem elas não temer o combate, diz respeito a seus filhos desaparecidos, mortos ou distantes. Bahar parte numa missão suicida, à procura de seu filho numa escola da região, sendo treinado para atuar com armas. Numa das cenas mais fortes do filme, vemos outra combatente que estava prestes a dar à luz, tendo que cruzar uma fronteira durante uma fuga. Algo espetacular e altamente crível. De acordo com a diretora, a inspiração para “Filhas do Sol” surgiu a partir de uma situação real em sua família: o avô dela participou da Guerra Civil Espanhola. Ver a guerra com o olhar feminino, nos leva às lágrimas diversas vezes.

As atrizes dão um show à parte. Muito seguras e determinadas encarnam as personagens de modo verossímil, especialmente na solidariedade feminina em meio às adversidades. O filme se torna universal, ao não se deter no conflito curdo, suas origens sociais, religiosas e políticas, mas nas mulheres estrategistas, habilidosas, e com muita coragem para enfrentarem seus desafios. Na cena final, ouvimos a leitura solene da reportagem de Mathilde, e o público saúda com um caloroso aplauso ao final da sessão.

Veja trailer de Filhas do Sol:

sábado, 15 de junho de 2019

Aladdin


Live action Aladdin [Estados Unidos, 2017], de Guy Ritchie mantém a essência do clássico animado homônimo (1992) de Ron Clements e John Musker e consegue atualizar o musical com músicas bem encaixadas na história e homenageando o antecessor. O elenco se destaca, assim como a bela fotografia dessa história de amor atemporal.

Na trama, Aladdin (Mena Massoud) é um jovem ladrão que vive de pequenos roubos em Agrabah. Um dia, ele ajuda uma jovem a recuperar um valioso bracelete, sem saber que ela na verdade é a princesa Jasmine (Naomi Scott). Aladdin logo fica interessado nela, que diz ser a criada da princesa. Ao visitá-la em pleno palácio e descobrir sua identidade, ele é capturado por Jafar (Marwan Kenzari), o grão-vizir do sultanato, que deseja que ele recupere uma lâmpada mágica, onde habita um gênio (Will Smith) capaz de conceder três desejos ao seu dono.


O jovem humilde pega a lâmpada mágica, com um gênio que pode lhe conceder três desejos. Interessado em conquistar a moça por quem se apaixonou, ele não sabe que a jovem é uma princesa que está prestes a se noivar. Com a ajuda do gênio, ele tenta se passar por um príncipe para conquistar o amor da moça e a confiança do sudão, pai da princesa.

As manobras de câmeras características de Guy Ritchie estão presentes, e não comprometem, pelo contrário, dá uma certa fluidez aos acontecimentos. Por mais que as refilmagens estejam em voga, é interessante ver mais uma personagem feminina forte, com Jasmine recebendo um tratamento que prioriza a sua competência política, de uma líder para um povo, com o intuito de ajudar os outros.

As cenas musicais não se destacam o quanto deveriam, talvez pelo uso recorrente da computação gráfica, que embora seja de qualidade, destoa um pouco do restante do filme. O gênio, que era o melhor do filme original, é reconstruído de uma interessante, não diria melhor ou pior do que ficou em nosso imaginário, mas é sempre bom apresentar personagens que marcaram nossa infância, para uma nova geração, além de é claro, incentivar os pequenos a verem a obra original.

Segue trailer de Aladdin:

Compartilhar