domingo, 22 de março de 2020

O que fazer na quarentena?


Em virtude do coronavirus, temos que permanecer em quarentena, isto é: ficar em casa. Mas é o que fazer na quarentena? Segue uma lista de como sobrevivi ao confinamento.

*1*. Orar, buscar comunhão com Deus. Alimentar o espírito.

*2*. Desfrutar da companhia dos familiares. Conversar, brincar, ser feliz nas coisas simples.

*3*. Momento para descansar, por o sono em dia. Desligar os despertadores.

*4*. Se alimentar bem e se hidratar, pois isso já seria mais que suficiente para melhorar a imunidade.

*5* Ler um pouco mais. Especialmente a bíblia. 

*6* Assistir filmes, documentários. Se alimentar culturalmente.

*7* Exercitar o corpo. Fazer atividades físicas. Suar um pouco faz bem.

*8* Exercite a mente. Jogos são úteis nesse sentido.

*9* Se relacionar virtualmente. O isolamento social é físico, mas podemos fazer uso da tecnologia para nos relacionar.

*10* Se arrepender. Pedir perdão, buscar a paz.

Assim espero que cada um dedique um pouco de sua reclusão para fazer algo parecido. Claro que quem já fazia isso deve manter. Forte abraço!

sábado, 14 de março de 2020

Luca e Gabriel, uma amizade extra-escolar


É muito comum as crianças desenvolverem amizade no ambiente escolar. No entanto, quando os pais cooperam para que esta amizade vá para outro nível, o extra-escolar, é perceptível a alegria e contentamento dos pequenos.

Nesse sábado, após levarmos o Luca para uma consulta na psicoterapeuta, fomos passar o restante do dia na casa do Josias e da Cristiane, para inclusive celebrarmos o aniversário da Júlia à distância, e tivemos um momento muito precioso nesse sentido.

Mas após o almoço, pudemos brincar na piscina com o Gabriel, colega de sala do Luca, bem como jogarmos futebol e até assistirmos ao jogo do Leão (Vitória de 3 x 0 contra o Náutico). Foi um sábado maravilhoso para os pequenos. Filhos, contem sempre comigo. Quero ser amigo dos amigos de vocês.

Luca e Gabriel comemoram gol do Fortaleza:




quinta-feira, 12 de março de 2020

I Congresso Nacional de Gestão Pública para Resultados




Nos dias 11 e 12 de março, participei do I Congresso Nacional de Gestão Pública para Resultados (ConGpR), realizado pela Secretaria do Planejamento e Gestão do Ceará (Seplag) e pela Escola de Saúde Pública do Ceará Paulo Marcelo Martins Rodrigues (ESP-CE), reuniu, entre os dias 11 e 13 de março, gestores, pesquisadores e profissionais de diversas regiões do Brasil, América Latina e Caribe no Centro de Eventos do Ceará.

Com uma programação de natureza técnica e científica, voltada a estimular uma discussão crítica e propositiva sobre inovação e boas práticas, o evento cujo tema é “Inovação e Desafios na Gestão das Políticas Públicas”, trabalhou os limites e as possibilidades da gestão pública para o alcance de resultados positivos no setor público.

Essa troca de experiências entre os participantes e a agenda de atividades composta por painéis, short talks, entrevistas, conferências e apresentações de trabalhos científicos, trouxe uma perspectiva nova e mais objetiva sobre os avanços e os desafios contemporâneos no campo da gestão para resultados.

É sempre importante refletirmos sobre desafios da gestão pública e vislumbramos os resultados que nossas atividades profissionais oferecem à sociedade. Este congresso foi oportunidade de se conectar e aprender sobre as temáticas pertinentes à gestão voltada ao alcance de resultados. Tive também a oportunidade de compartilhar os conhecimentos obtidos no congresso e percebi que o Instituto Agropolos está avançando em seus processos de gestão, em sintonia com os desafios contemporâneos no campo da gestão para resultados.

domingo, 8 de março de 2020

Concurso Ministério Público do Ceará


Neste Dia Internacional da Mulher, realizei as duas provas do concurso do Ministério Público do Ceará na Unifor. No período da manhã para Analista de nível superior e no período da tarde para Técnico de nível médio.

Foram provas difíceis e cansativas, aplicadas pela Cebraspe. A Prova Objetiva foi aplicada para todos os cargos e contou com 120 questões no estilo CERTO ou ERRADO. Já a prova discursiva consistiu numa redação de 20 a 30 linhas e foi aplicada em conjunto com a prova objetiva.

O resultado definitivo das provas objetivas devem sair no dia 31 de março, bem como o resultado preliminar do exame discursivo. O certame oferta aos candidatos 30 vagas para cargos de Nível Médio e Superior, com remuneração inicial de R$ 4.038,91 e R$ 5.919,42.

Segue cadernos de prova:
Analista Ministerial - Conhecimentos Básicos
Analista Ministerial - Conhecimentos Específicos
Técnico Ministerial - Conhecimentos Básicos
Técnico Ministerial - Conhecimentos Específicos

sábado, 7 de março de 2020

Copa do Nordeste 2020: Fortaleza 1 x 0 CSA


Fortaleza entrou em campo pela Copa do Nordeste, e eu, o Izahel, o Adriel e o Júnior estávamos lá para conferir. O time jogou pro gasto e conseguiu a vitória graças a um gol de Tinga, de cabeça.


O Luca comeu duas coxinhas! E acompanhou de perto os lances, vibrando com o gol Tinga de cabeça, após belo escanteio cobrado por Juninho.

Tinga decidiu, o Fortaleza venceu e colou no Bahia na liderança do Grupo B! O Tricolor do Pici tem o mesmo número de pontos que o Esquadrão, mas perde no saldo de gols. Vitória muito importante do atual campeão!

Com a vitória, o Fortaleza chega aos 11 pontos e é terceiro no Grupo A. Além disso, abre seis pontos de vantagem sobre o ABC, quinto colocado com cinco.

Segue gols e melhores momentos da partida:

sexta-feira, 6 de março de 2020

2ª Oficina de planejamento da SDA


Na manhã desta sexta, participei da 2ª oficina de planejamento da SDA, que contou com a presença ilustre da Professora Dra. Tânia Bacelar que iluminou o segundo dia do Planejamento Estratégico da SDA.


O secretário De Assis cobrou a dedicação de todos e todas e reforçou a importância de uma visão onde a agricultura familiar encontre seu próprio caminho agora como atividade econômica. É urgente aproveitarmos as oportunidades geradas pelo governo Camilo Santana para gerarmos renda e autonomia a centenas de milhares de homens e mulheres do campo no Estado.

Também estiveram presentes, o diretor de estudos econômicos do Ipece, Adriano Sarquis, e o diretor executivo do Grupo Portfólio, Cássio Germano. Mas a melhor palestra sem dúvidas foi a da Tãnia.

quinta-feira, 5 de março de 2020

Dois Irmãos - Uma Jornada Fantástica


Animação da Disney-Pixar Dois Irmãos - Uma Jornada Fantástica [Onward, Estados Unidos, 2019], de Dan Scanlon, ambientado em um subúrbio de um mundo de fantasia, o filme apresenta dois irmãos elfos adolescentes que embarcam em uma missão extraordinária para descobrir se ainda há um pouco de mágica pelo mundo.

Em um local onde as coisas fantásticas parecem ficar cada vez mais distantes de tudo, dois irmãos elfos adolescentes embarcam em uma extraordinária jornada para tentar redescobrir a magia do mundo ao seu redor. Trata-se de mais uma aventura intimista com a essência da Pixar raiz, especialmente para quem é pai de dois filhos. O filme tem muita emoção, diversão e inúmeras referências fantásticas ao universo RPG. Uma obra magnífica do estúdio, que é perfeita para todas as idades, especialmente num mundo tão intolerante como é o mundo que vivemos.


O filme apesar de sua qualidade técnica, tem sua força motriz no roteiro, que propõe a crença no desenvolvimento pessoal através da superação. sendo meticuloso na criação dos personagens e no desenvolvimento da relação entre os irmãos, além de criar um mundo de seres fantásticos que remete ao nosso, e deixando a mensagem de que possamos acreditar sempre na magia para superação das diferenças a fim de reforçar os laços fraternos.

Veja o trailer de Dois Irmãos - Uma Jornada Fantástica:

quarta-feira, 4 de março de 2020

Os Miseráveis




Drama francês Os Miseráveis [Les Miserables, França, 2019], de Ladj Ly, ecoa a obra de Vitor Hugo, mostrando o atual momento francês, que apesar de unidos celebrarem a conquista de uma Copa do Mundo, vive em constante violência, afetando especialmente as crianças que vivem no subúrbio parisiense.



Na trama, acompanhamos o primeiro dia de trabalho de um policial provinciano Stéphane (Damien Bonnard) que se muda para Montfermeil, em Paris, com o objetivo de se juntar à Brigada Anti-Crime local, descobrindo um submundo onde as tensões entre os diferentes grupos marcam o ritmo. Colocado no mesmo time de Chris (Alexis Manenti) e Gwada (Djibril Zonga), dois homens de métodos pouco convencionais, ele logo se vê envolvido na tensão entre as diferentes gangues do local.

O filme é pulsante do início ao fim. A tensão e o senso de urgência é perceptível o tempo todo. A apresentação dos personagens é bem construída, e como eles se relacionam com o trio de policiais, que tomam atitudes que desencadeiam uma série de situações inconvenientes, dando uma sensação de inquietude social, de que algo pode sair do controle a qualquer momento.

Os policiais não são maniqueístas, e as tomadas são quase como a de um documentário, tornando o filme bem realista, e sendo comparável ao nosso clássico Tropa de Elite (2007) de José Padilha. Mostra como o corrompido sistema é capaz de gerar conflitos até mesmo com as crianças, especialmente aqueles que vivem à margem da sociedade e/ou são renegados pelos pais.

A diplomacia é algo que não existe quando surge conflito entre as comunidades que ali habitam. Vemos os imigrantes, os muçulmanos, os circenses (ciganos), as crianças da comunidade e os policiais. O caos começa a se instalar quando uma criança rouba um leão bebê do circo e eles partem pra cima para conseguirem o leão de volta.

Aí vemos desde a violência policial, as traquinagens infantis, a paciência dos religiosos, todos estão num emaranhado onde lutamos para sobreviver em meio ao caos instalado. O filme representou a França no Oscar 2020. E como o longa se encerra, deixo aqui o trecho da obra de Vitor Hugo: "Não há ervas daninhas, nem homens maus - há sim, maus cultivadores".

Acompanhe o trailer de Os Miseráveis:

terça-feira, 3 de março de 2020

5 Anos do João Lucas


Na noite desse 3 de março, os primos se reuniram no Clube das Estrelinhas para celebrar os 5 Anos do João Lucas. O tema da festa foi Angry Birds, e os pequenos curtiram bastante a estrutura do local. Eu no final da festa fui carregar a lembrancinha...


Planejamento Estratégico 2020 da SDA


Neste 3 de março, foi dia de planejar o futuro da agricultura no Ceará. Pude participar como técnico do Instituto Agropolos do Ceará do planejamento estratégico da Secretaria do Desenvolvimento Agrário (SDA).

O evento acontece com a finalidade de debater, junto aos analistas Rafaela Martins (Gerente de Estatística, Geografia e Informação do IPECE) e Cleyber Nascimento (Analista de Políticas do IPECE) que apresentaram um Diagnóstico das Características Geossocioeconômicas do Estado do Ceará. Ouvimos também o sociólogo e professor de Planejamento Territorial da UFABC, Arilson Favareto, que apresentou Estratégias de Desenvolvimento Territorial. Por fim debateu-se ações que contribuam com o desenvolvimento da agricultura do Ceará nos próximos anos.

Na ocasião, também estiveram presentes os técnicos Esaú Ribeiro, Alexandre Maia, Airton Cruz, Liane Marly, André Luís, Priscila Moura e Lilian Sales.

domingo, 1 de março de 2020

Cearense 2020: Fortaleza 4 x 2 Barbalha


Na ensolarada tarde deste 1º de março, fui torcer com meus filhos para o Fortaleza no estádio Presidente Vargas, em partida válida pelo Campeonato Cearense 2020. A torcida compareceu e praticamente lotou o PV, apesar do público total divulgado.


O Fortaleza saiu atrás no marcador, quando Nenê Bonilha deu um passe errado e o Guidio do Barbalha abriu o placar. O time manteve o psicológico e partiu pra cima de igualar o marcador. A chance até veio, numa penalidade que Wellington Paulista desperdiçou.

No entanto, aos 36 minutos, Juninho chutou de fora de área, a bola desviou em Wellington Paulista e foi para as redes. Ainda nos acréscimos do primeiro tempo, Wellington Paulista deu um lindo passe de bicicleta e Carlinhos completou de peixinho.

No início do segundo tempo, o Barbalha conseguiu empatar no início da segunda etapa com Cléber numa bela finalização. No entanto, o Fortaleza conseguiu ampliar o marcador e garantir a vitória com Tinga de cabeça e Nenê Bonilha num chute de fora da área.

Segue vídeo com meus filhos de trecho da partida:


Veja os gols de Fortaleza 4 x 2 Barbalha:


Ficha Técnica:

Campeonato Cearense 2020

Fortaleza -4-4-2-4: Felipe Alves; Tinga, Quintero, Paulão e Carlinhos; Juninho (Romarinho) e Nenê Bonilha; Marlon, Wellington Paulista, Ederson (David) e Madson (Derley). Téc: Rogério Cenio

Barbalha -2-4-4-2: Sérgio; Denis, Darlan, Leone e Erivelton; Da Silva, Guidio (Isau) Diego Clemente e Thiago (Marwin); Stenio (Dagson) e Cleber. Téc: João Severo

Local: Presidente Vargas

Data: 1°/3/2020

Horário: 16 horas

Árbitro: Amarília Sampaio (CE)

Assistentes: Nailton Oliveira (CE) e Cleberson Leite (CE)

Cartão vermelho: João Bala (auxiliar do Barbalha)

Gols: 5MIN/1T - Guidio; 34MIN/1T - W. Paulista; 46MIN/1T - Carlinhos; 5MIN/2T - Cleber; 11MIN/2T - Tinga; 15MIN/2T - Nenê Bonilha

Público: 11.433

Renda Bruta: R$ 42.523,00

Renda Líquida: R$ -9.232,21

O Preço da Verdade - Dark Waters


Drama baseado no artigo "O advogado que virou o pior pesadelo da DuPont" (tradução livre de The lawyer who became DuPont's worst nightmare), de Nathaniel Rich e publicado pela revista do The New York Times O Preço da Verdade - Dark Waters [Dark Waters, Estados Unidos, 2019], de Todd Haynes mostra a fabulosa história real de um advogado que arriscou sua carreira para descobrir um sombrio segredo escondido por uma das maiores empresas do mundo e levar justiça a uma comunidade perigosamente exposta por décadas a produtos químicos mortais.

Produzido pela Participant Media, dos recentemente oscarizados Spotlight: Segredos Revelados (2015), e Green Book: O Guia (2018), a trama nos conta a história chocante e heroica de um advogado de defesa ambiental corporativo Rob Bilott (Mark Ruffalo) que acaba de firmar uma parceria em seu prestigiado escritório de advocacia em Cincinnati, em grande parte pelo seu trabalho por defender grandes empresas do setor químico.

Rob Bilott se vê em conflito no ano de 1995, depois de ter sido procurado pelo fazendeiro Wilbur Tennant (Bill Camp), que se torna uma persona non grata em sua comunidade da Virgínia Ocidental que acreditam que a fábrica local da DuPont apenas emprega e traz benefícios para a comunidade, não crendo que ela esteja despejando lixo tóxico no aterro que está destruindo o ambiente, poluindo o lençol freático e consequentemente o rio local e matando o gado do fazendeiro.

Tennant relata que suas vacas estão adoecendo e morrendo ao beberem a água do rio que corta sua propriedade, e que a responsabilidade seria da empresa. A princípio contrariado, Billot aceita o caso e vai, aos poucos, descobrindo que, na verdade, se tratava de um terrível e criminoso desastre ambiental – agravado pelo fato de que a corporação esteve sempre ciente dos danos causados.

Na esperança de descobrir a verdade sobre o que está acontecendo, Bilott, conta com a ajuda de seu parceiro na empresa, Tom Terp (Tim Robbins), e registra uma queixa que marca o início de uma luta épica de 15 anos - que não apenas testou seu relacionamento com sua esposa, Sarah (Anne Hathaway), mas também sua reputação, a criação de seus filhos, sua saúde e seu sustento. Analisando uma grande quantidade de documentos, o advogado descobre o produto C8, utilizado na fabricação de panelas antiaderentes com uso de Teflon.

A ação judicial se arrastou por décadas, e quase levou o advogado Billot à ruína pessoal e profissional, mas resultou numa das maiores indenizações já pagas por uma empresa privada – US$ 671 milhões para os atingidos. O filme traz à tona, sem rodeios e de forma incrivelmente transparente, a reiterada tentativa dos executivos de negar os crimes da empresa, com destaque para a atuação segura de Victor Garber no papel de Phil Donelly, um dos diretores da DuPont.

Com elementos típicos dos filmes de tribunal, apresentando as dificuldades de um advogado desacreditado pelo sistema – que trata o caso como uma “teoria da conspiração” –, o poder e a influência das megacorporações sobre a lei e a Justiça, além das tensas e sempre aguardadas sequências do julgamento propriamente dito.

A atuação de Ruffalo está muito boa, especialmente nas cenas de tribunal. O ator internaliza muitos sentimentos e os expressa nas sutilezas do personagem, que dedica anos da vida e da carreira para encontrar a solução do caso, ficando comprometido mental e fisicamente. A trilha sonora é outro fator que corrobora com a potencialização da ambientação, sendo utilizada de forma pontual e bem executada, ampliando a tensão e o drama. Esse é o tipo de filme em que o cinema tem papel fundamental,de suma importância, por apresentar ao grande público uma situação verossímil, que faz refletir até onde pode ir a ganância humana e o capitalismo proposto por neoliberalistas que destroem o meio ambiente visando exclusivamente o lucro.

Confira o trailer de O Preço da Verdade - Dark Waters:

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

Copa Sul-Americana: Fortaleza 2 x 1 Independiente


Vivi um sonho sul-americano. Vi meu time jogar uma partida internacional, num torneio intercontinental. Pra quem recentemente amargava eliminações na Série C, ver o atual momento do Fortaleza é de orgulhar a quem faz parte da torcida de Leais.

O Fortaleza jogou muito. Dominou as ações na primeira etapa. Teve uma ótima chance com David logo aos 4 minutos, mas só abriu o placar quando Osvaldo sofreu pênalti de Bustos. Juninho pegou bola para si, converteu com frieza no canto esquerdo e abriu o placar na Arena Castelão Com segurança na troca de passes e velocidade, o Tricolor dominou a posse de bola no primeiro tempo com mais de 70%.

Veja gol do Juninho que consegui filmar:


A segunda etapa começou mais equilibrada. O Independiente voltou mais reativo, aumentando a posse de bola e com mais investidas na área do Tricolor. Osvaldo jogou muito e partia pra cima, sempre com velocidade no drible, o atacante conseguiu três grandes finalizações em menos de 10 minutos de jogo.

Aos 32 minutos, Rogério Ceni fez uma alteração que mudaria a partida. Mesmo sob desconfiança da torcida, lançou Marlon no lugar de Romarinho. A estrela do técnico brilhou. No primeiro lance em que participou, o meia aproveitou belíssimo passe de Gabriel Dias e chutou livre na entrada da área para ampliar o placar. Os dois gols de vantagem garantiam o Fortaleza na fase seguinte da competição.

O Tricolor do Pici tentou administrar vantagem na raça e gastando o tempo que podia. No entanto, aos 47 minutos, o lateral-direito Bustos recebeu passe de Velasco e mandou cruzado para o gol. A bola ainda desviou em Bruno Melo antes de entrar. Com o critério do gol de visitante, o Rey de Copas conseguiu a classificação e frustrou a torcida presente na Arena Castelão.

O Leão foi superior nos dois tempos da partida e chegou a ficar com dois gols de vantagem no placar, marcados por Juninho e Marlon, mas gol contra de Bruno Melo aos 47 minutos do segundo tempo foi suficiente para o Independiente conseguir a classificação pelo critério do gol de visitante. Um banho de água fria para os 52.552 torcedores que acompanharam o duelo na Arena Castelão.

Segue vídeo com melhores momentos dessa vitória melancólica:


Segue vídeo do mega mosaico completo:


Segue trailer do filme "Primeira Vez Na América":


FICHA TÉCNICA:

FORTALEZA 2 x 1 INDEPENDIENTE

FORTALEZA – Felipe Alves; Gabriel Dias, Jackson, Paulão e Bruno Melo; Felipe, Juninho, Mariano Vazquez (Tinga); David, Osvaldo (Wellington Paulista) e Romarinho (Marlon). Técnico: Rogério Ceni.

INDEPENDIENTE – Campaña; Bustos, Franco, Barboza e Silva; Lucas Romero, Blanco (Roa) e Togni (Domínguez); Braian Romero (Velasco), Silvio Romero e Leandro Fernández. Técnico: Lucas Pusineri.

GOLS – Juninho (pênalti), aos 26 minutos do primeiro tempo. Marlon, aos 33, e Bustos, aos 47 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS – Felipe, Lucas Romero, Wellington Paulista, Gabriel Dias.

ÁRBITRO – Roberto Tobar (CHI).

RENDA – Não disponível.

PÚBLICO – 52.552 torcedores.

LOCAL – Arena Castelão, em Fortaleza (CE).

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020

Meu Nome é Sara


Drama de guerra baseado em fatos reais Meu Nome é Sara [My Name is Sara, Estados Unidos, 2019], de Steven Oritt, se mostra necessário ao retratar o sofrimento na vida de Sara Góralnik, uma polonesa, judia, cuja família inteira foi morta pelos nazistas quanto ela tinha apenas 13 anos de idade em setembro de 1942. Infelizmente uma onda nazista tem ganhado força com a atual política neoliberal, especialmente aqui no Brasil onde um nazismo cristão tem se levantado contra a dignidade de muitos.


Sara Góralnik (Zuzanna Surowy) é uma judia polonesa de 13 anos que depois de fugir para a Ucrânia, usando a falsa identidade cristã, roubada de uma amiga, ela é acolhida por um casal de fazendeiros Pavlo (Eryk Lubos) e Nadya (Michalina Olszanka) em uma pequena vila.  Ela escapa com o irmão, Moishe (Konrad Cichon), de sua cidade natal, Korets (na época, Polônia), em 1942. A dramática tarefa de sobreviver rapidamente se impõe e ela percebe que sozinha poderá ter mais chances. Acolhida numa família ucraniana, ela logo descobre os segredos sombrios do casamento de seus empregadores. Ela trabalha duro na casa e na cozinha, além de cuidar das crianças da família. Tratada como bicho, dorme no estábulo e vive com medo dos olhares lascivos do patrão, um homem rude e bruto até com a própria esposa.

Tudo parece correr bem para o recomeço de Sara, mas ela descobre que seus novos amigos possuem segredos sombrios e, para manter seu disfarce e sobreviver, ela terá que lidar com toda a tensão da situação. O roteiro de David Himmelstein constrói uma espécie de solidariedade entre as mulheres oprimidas, num tempo e lugar em que a condição feminina era de todos os modos muito vulnerável.
Por mais que o filme se pareça com mais uma dentre tantas histórias de fugas passadas no período do Holocausto, na verdade, se trata mais de um drama angustiante, de pressão psicológica, do que de uma narrativa de bravura.

Talvez pela experiência do diretor em documentários, temos um realismo surpreendente nas cenas do longa. especialmente ao mostrar os confrontos dos civis ucranianos com os ocupantes nazistas, não contemporizando sobre a dureza de viver naquela época. No final da projeção, nos emocionamos com imagens da verdadeira Sara e alguns relatos de como foram os anos seguintes de sua vida.

Destaque-se a atuação da jovem atriz, que impressiona como protagonista, sustentando com grande energia, não raro apenas em sua poderosa expressão facial, todo o drama humano desta menina, obrigada a despir-se de todo e qualquer traço infantil para pura e simplesmente sobreviver nas condições mais hostis. O ponto negativo, é o fato do longa ter sido filmado na Polônia, mas ser falado em inglês, o que facilita sua circulação internacional, mas representa um falha em seu realismo, tão nítido em outros aspectos da produção.

Veja o trailer de Meu Nome é Sara:

domingo, 23 de fevereiro de 2020

Dolittle


Live action Épico de Aventura  Dolittle [Dolittle, Estados Unidos, 2018], de Stephen Gaghan traz Robert Downey Jr. como um dos personagens mais duradouros da literatura (baseado nos livros infantis do escritor Hugh Lofting) em uma reimaginação do conto clássico do homem que consegue falar com animais: Dolittle.

Depois de perder a esposa, sete anos antes, o excêntrico Dr. John Dolittle (Robert Downey Jr), famoso médico e veterinário na Inglaterra da Rainha Victoria, se isola atrás dos muros altos da sua mansão Dolittle, com a companhia apenas de sua coleção de animais exóticos. Mas quando a jovem rainha (Jessie Buckley) fica gravemente doente, Dolittle relutantemente é forçado a partir em uma aventura épica para uma ilha mítica em busca de uma cura, recuperando suas habilidades e sua coragem enquanto cruza velhos oponentes e descobre criaturas maravilhosas. 

O médico é acompanhado por um jovem aprendiz auto-nomeado (Harry Collett) e um grupo barulhento de amigos animais, incluindo um gorila ansioso, uma pata entusiasmada e doidinha, uma dupla briguenta de um avestruz cínico e um otimista de urso polar e um papagaio teimoso, que é o conselheiro mais confiável de Dolittle.

Na literatura, o Doutor Dolittle foi tema de obras lançadas entre os anos 1920 e 1950. O médico capaz de conversar com animais estreou no cinema em “O Fantástico Doutor Dolittle” (1967), filme de Richard Fleischer (“Conan, o Destruidor”) com Rex Harrison no papel principal. Nos anos 1990, o médico virou blockbuster. Eddie Murphy fez “Dr. Dolittle” ser a oitava maior bilheteria de 1998. Após uma sequência em 2001, o universo ganhou mais três continuações sem Murphy, lançadas direto para o mercado de DVD.

O longa parece ter sido feito sem inspiração. Downey Jr. filmando praticamente sozinho, é um desperdício. O longa tenta misturar gêneros, mas acaba não engrenando em nenhum. Se mostra um filme meramente infantil, para que uma nova geração conheça o personagem icônico Doutor Dolittle, que na década de 90 foi magistralmente interpretado por Eddie Murphy. Se mostra um filme desnecessário.

Acompanhe o trailer de Dolittle:

Compartilhar