domingo, 2 de agosto de 2020

Pais e Filhas

Pais e Filhas: Críticas AdoroCinema

Drama Pais e Filhas () de Grabrile Muccino, mesmo diretor de À Procura da Felicidade, apresenta a história de um pai escritor, com problemas ocasionados após um trauma tenta criar sua filha e enfrenta as dificuldades da vida. Trata-se de uma história de superação pessoal e amor familiar.

A trama se passa em Nova York, 1988. O romancista mentalmente instável e viúvo (Russel Crowe) tenta criar sozinho a filha de cinco anos (Kylie Rogers), após a perda da esposa num acidente de carro que lhe deixou alguns problemas neuromotores. Vinte anos depois a garota, já adulta (Amanda Seyfried), cuida de crianças com problemas psicológicos e ainda tenta entender sua complicada infância, o que a faz tornar-se viciada em sexo.

O filme apresenta sérios problemas de montagem, especialmente em relação ao timing na transição entre passado e presente do roteiro melodramático. É uma visão sincera que defende o quão importante é a influência que os pais podem ter no futuro de seus filhos. A trilha sonora é emotiva, e o desenvolvimento dos personagens é correto, por mais que sejam previsíveis e clichês. E a abordagem de traumas de infância é necessária e válida.

Acompanhe o trailer de Pais e Filhas:
<iframe width="560" height="315" src="https://www.youtube.com/embed/m7z9O4T0HWU?controls=0" frameborder="0" allow="accelerometer; autoplay; encrypted-media; gyroscope; picture-in-picture" allowfullscreen></iframe>

sábado, 1 de agosto de 2020

Magos do Cubo

Magos do Cubo - Limão Mecânico

Documentário Magos do Cubo (The Speed Cubers, 2020) de Sue Kim mostra a vida e a rotina de dois campeões de speedcubimg Max Park e Feliks Zemdegs. Consegue inclusive emocionar com sua simplicidade, ao mostrar o lado autista de Max Park e como a rivalidade foi bem utilizada por ambos.

A trama acompanha os campeões do quebra-cabeça tridimensional, que foi inventado pelo húngaro Ernő Rubik em 1974. O foco da trama está na amizade e na rivalidade dos dois recordistas mundiais de cubo mágico. Entre dois amigos, só pode haver um grande vencedor.

Resolver um cubo mágico em poucos segundos virou um fenômeno mundial nos últimos anos. Há quase uma década nesse novo esporte, o australiano Feliks Zemdegs reinou soberano até que o mundo da resolução competitiva de cubos mágicos se espantou quando Max Park levou a medalha de ouro em 2017. A partir daí, a ascensão de Max foi tranquila, exceto por um obstáculo: Feliks. Os dois vêm disputando títulos e quebrando recordes, mas em vez de desenvolverem uma rivalidade, Feliks e Max transformaram essa competitividade em uma amizade carinhosa e ao mesmo tempo complicada.

Max está no espectro autista e a família usa a resolução competitiva de cubos mágicos como terapia para estimular suas habilidades sociais e desenvolvimento emocional, sem nunca imaginar que o maior rival dele no esporte se tornaria um grande aliado para lidar com o autismo. Nossa história começa com Max e Feliks prestes a participar de mais um campeonato mundial. Os dois querem vencer e torcem pelo sucesso um do outro, mas só um será o campeão. Qual deles? E essa amizade vai conseguir sobreviver a tudo isso?

Segue trailer de Magos do Cubo:
<iframe width="560" height="315" src="https://www.youtube.com/embed/ywxj3SmQfCI?controls=0" frameborder="0" allow="accelerometer; autoplay; encrypted-media; gyroscope; picture-in-picture" allowfullscreen></iframe>

Mistério no Mediterrâneo

Mistério no Mediterrâneo - Filme 2019 - AdoroCinema

Comédia Mistério no Mediterrâneo (Murder Mystery, 2019) de Kyle Newacheck é um filme de comédia e mistério clichê, distribuído pela Netflix e estrelado por Adam Sandler e Jennifer Aniston. O filme é a sexta parceria de Sandler com a Netflix, e a segunda parceria dele com Aniston. É um dos filmes mais vistos na plataforma de streaming.

Na trama, um policial de Nova York Nick Spitz (Adam Sandler) finalmente consegue levar sua esposa Audrey (Jennifer Aniston) em uma tão sonhada viagem pela Europa. há tempos ele tenta se tornar detetive, mas nunca consegue passar na prova para o cargo. Envergonhado, ele diz para sua esposa (Jennifer Aniston) que trabalha na função, pedindo ao melhor amigo que o ajude nesta mentira. Um dia, ao chegar em casa, Nick é cobrado por Audrey sobre a sonhada viagem à Europa, prometida quando eles se casaram, 15 anos atrás. Pressionado, ele diz que já havia arrumado tudo e, assim, os dois partem em viagem.

Ainda no avião, Audrey conhece o milionário Charles Cavendish (Luke Evans), que os convida para um tour a Mônaco a bordo do navio de seu tio bilionário Malcolm Quince (Terence Stamp). O casal aceita a oferta, sem imaginar que estaria envolvido com a investigação em torno de um assassinato em pleno alto-mar. Quando Quince é assassinado e eles se tornam os principais suspeitos do crime!

Segue trailer de Mistério no Mediterrâneo:
<iframe width="560" height="315" src="https://www.youtube.com/embed/ZewCCWbPlsY?controls=0" frameborder="0" allow="accelerometer; autoplay; encrypted-media; gyroscope; picture-in-picture" allowfullscreen></iframe>

O Resgate do Soldado Ryan

encrypted-tbn0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcS...

Drama de guerra O Resgate do Soldado Ryan (Saving Private Ryan) de Steven Spielberg mostra a crueza da guerra e do quanto o ser humano é capaz de enfrentar para cumprir uma missão, por mais simples que ela seja.

Ao desembarcar na Normandia, no dia 6 de junho de 1944, o Capitão Miller (Tom Hanks) recebe a missão de comandar um grupo do Segundo Batalhão comporto por sete homens (Tom Sizemore, Edward Burns, Barry Pepper, Vin Diesel, Giovanni Ribisi, Adam Goldberg e Jeremy Davies) para o resgate do soldado James Ryan (Matt Damon), o caçula de quatro irmãos, dentre os quais três morreram em combate. Por ordens do chefe George C. Marshall, eles precisam procurar o soldado e garantir o seu retorno, com vida, para casa. A premissa do filme é ligeiramente baseada no caso real dos irmãos Niland.

O filme retrata bem os acontecimentos do Dia D na segunda guerra mundial. É incrível como o filme é palpável. Todos os atores principais fizeram treinamento de armas, com exceção de Matt Damon, que foi poupado para que os seus colegas utilizassem o ressentimento do set para as cenas dos filme. Pessoas com membros amputados foram utilizadas para as cenas de feridos da guerra. De fato vemos um derramamento de sangue e pedaços de pessoas voando, nos sentindo no campo de batalha.

A fotografia dispensa comentários de tão excepcional. A edição de som é bem caprichada, temos tiros, explosões de granadas e morteiros que se unem a muitos barulhos intensos. No Oscar de 1999, ganhou ou prêmios de Melhor Diretor para Steven Spielberg, Melhor Fotografia, Melhor Edição, Melhores Efeitos de Som e Melhor Som. A parte técnica do filme é incrível e eu gostaria de ter visto esse filme nos cinemas.

Confira o trailer de O Resgate do Soldado Ryan: 
<iframe width="560" height="315" src="https://www.youtube.com/embed/WdHJ_nLRjIA?controls=0" frameborder="0" allow="accelerometer; autoplay; encrypted-media; gyroscope; picture-in-picture" allowfullscreen></iframe>

quarta-feira, 29 de julho de 2020

Castelo de Areia

Castelo de Areia - Filme 2017 - AdoroCinema

Drama de guerra americano Castelo de Areia (Sand Castle, 2017) de Fernando Coimbra expõe a futilidade da guerra e de como ela transforma a vida de quem a enfrenta. Proporciona involuntariamente uma reflexão que ganha camadas quanto mais os personagens adentram na falta de sentido das tarefas às quais são impelidos.

Ambientado no Iraque, em 2003, a trama segue um grupo de soldados americanos nos dias iniciais da segunda Guerra do Golfo, após uma ação vitoriosa em Badgá. Antes de voltarem aos Estados Unidos, eles têm uma última missão: ir ao pequeno vilarejo Baquba, região pouco conhecida pelas tropas estrangeiras. A tarefa dos militares é reativar o serviço de água dos habitantes, destruído pelo próprio exército americano. O soldado Matt Ocre (Nicholas Hoult) não tem vocação para a vida no exército, mas precisa buscar ajuda dos iraquianos a fim de concluir o difícil serviço. Em uma atmosfera cercada de raiva e ressentimento, conquistar os corações dos nativos é uma tarefa perigosa. É aqui, nas ruas, praças e escolas, que ele descobre o verdadeiro custo da guerra.

O protagonista é um indivíduo frustrado com a decisão de aderir ao serviço militar, pois não compactua com as razões do exército e política envolvidas. O filme brilha por não defender a bandeira de nenhum dos lados, mostrando como conflitos armados tendem a gerar mais lamúrias para os não envolvidos do que conquistas propriamente ditas. Alguns diálogos mostram lados opostos do capitalismo e como os governantes tratam as necessidades gerais da população

A população local obviamente não confia nos americanos, e os soldados terão que lidar com a desconfiança local e do ódio de grupos extremistas da pequena região de Baquba. Logan Marshall-Green (SGT. Harper), Henry Cavill (Cap. Syverson), Glenn Powell (Chutsky), Parker Sawyers (Sgt. Robinson) entre os que se destacam no filme. Na trilha sonora, ouvimos Queens of The Stone Age (que casou com o tema do filme) e Sepultura

Assista ao trailer de Castelo de Areia:
<iframe width="560" height="315" src="https://www.youtube.com/embed/rSMknnYy040?controls=0" frameborder="0" allow="accelerometer; autoplay; encrypted-media; gyroscope; picture-in-picture" allowfullscreen></iframe>

segunda-feira, 20 de julho de 2020

Pee-Wee's Big Holiday

www.gstatic.com/tv/thumb/v22vodart/12538370/p12...





Comédia de aventura Pee-Wee's Big Holiday (2016) de John Lee, mostra o personagem do clássico filme de 1985, “As Grandes Aventuras de Pee-Wee”, vivido por Paul Reubens retorna numa aventura que mistura road movie e criancices para adultos, sendo inspirado por um estranho misterioso, decidindo tirar suas primeiras férias nesta história que fala de amizades e destino.

Após encontrar Joe Manganiello, Pee-wee Herman consegue tirar suas primeiras férias e deixa sua cidade natal. Ele acaba indo a Nova York para comemorar o aniversário de Joe, não sem antes ser pego em situações pitorescas enquanto cruza os EUA.

Aos 63 anos, o comediante parece simplesmente se recusar a aceitar as rugas da idade. Reubens salta, corre, anda e devora doces como se ainda estivesse nos anos 1980, o que confirma o próprio paradoxo de um personagem preso para sempre na doce infância.

As piadas físicas lembram o humor direto do produtor Judd Apatow. Sem nenhum cinismo, o personagem é constantemente bombardeado pelo interesse feminino, de femme fatales criminosas à jovem certinha que cresceu no mesmo subúrbio tão adorado por Pee-wee. E o melhor: o personagem é tão dócil e inocente que prefere ouvir os apitos de um balão furado do que dar bola para as garotas.

Confira o trailer de Pee-Wee's Big Holiday:

Ascensão: Império Otomano

Ascensão: Império Otomano - 24 de Janeiro de 2020 | Filmow



Documentário dramático de guerra turco Ascensão: Império Otomano, (Rise Of Empires: Ottoman, 2020) de Emre Şahin apresenta em 6 episódios, como o sultão otomano Maomé II empreende uma campanha épica para tomar Constantinopla, capital do Império Bizantino, definindo o curso da história por séculos.

o Império Otomano teve sua origem no início do Século XI a partir do momento em que tribos nômades turcas se fixaram na Anatólia. Com a formação de uma cultura militarista e movidos pelos princípios do Alcorão, que incluem a propagação de fiéis, os otomanos começaram um intenso processo expansionista que culminou na conquista de Constantinopla dos Bizantinos.

Ao longo de seis episódios a série busca retratar a história do Sultão Mehmed II, desde sua ascensão ao poder com apenas 13 anos até a célebre vitória em Constantinopla. Afinal, por séculos acreditava-se que a cidade era impenetrável devido à fortificação extrema. Durante o Califado Omíada, cercos foram erguidos ao redor dos gigantescos muros, mas apesar das tentativas, ela permaneceu impenetrável. Por isso, quando chegou sua vez, Mehmed comandou a construção de um canhão com dimensões nunca antes vistas, que foi usado para abrir buracos na muralha. Além disso, dispôs de 70 navios para o transporte das tropas durante a noite.

Nascido em 1432, Mehmed foi instalado pela primeira vez como sultão em 1444 e teve um reinado de 30 anos entre 1451 e 1981, que incluiu a conquista de Constantinopla (hoje Istambul) e a expansão do Império Otomano. sob a liderança do sultão Mehmed II, os otomanos conseguiram invadir e subjugar Constantinopla, que caiu em 1453 e foi convertida em capital otomana, tendo seu nome mudado para Istambul (o qual permanece até hoje)

Muito interessante as intervenções de especialistas relatando aquilo que está sendo apresentado na série. Dá um tom de veracidade ao que está sendo relatado e torna tudo ainda mais interessante, estabelecendo-se como uma mistura de documentário com drama de ação.

Acompanhe o trailer de Ascensão: Império Otomano:

sábado, 18 de julho de 2020

Dumplin'

Dumplin' poster - Poster 1 - AdoroCinema



Comédia de autoconhecimento baseado no livro homônimo e publicado pela Editora Valentina Dumplin' (2018) de Anne Fletcher, mostra a trajetória de uma gordinha para superar os desafios e preconceitos, muitas vezes estabelecidos por si próprio.

Na trama Willowdean Dickson (Danielle Macdonald), é uma jovem acima do peso e bastante confiante com o próprio corpo, apesar de não ter o respeito de sua mãe, uma ex-miss Rosie (Jennifer Aniston). Quando se apaixona por Bo (Luke Benward) e começa a ter inseguranças. Will decide entrar num concurso de beleza como forma de protesto.

Esta não é a história de uma jovem que busca a aprovação do júri para saber quem é. Com canções clássicas de Dolly Parton intercalam-se com as inseguranças e reflexões de Willowdean, assim como seus momentos de solidão se encontram com os de coragem súbita.Ao desafiar a mãe (uma famosa ex-miss) com a inscrição no famoso concurso de beleza, a protagonista não tem como foco a vontade de ganhar a tão cobiçada faixa. O que ela precisa é garantir sua autoconfiança e também encontrar algum modo para que a mãe a enxergue do jeito que é de fato, e não como um reflexo do que acha que deveria ser.

A amizade que a protagonista tem com Ellen (Odeya Rush) deixa claro os propósitos do filme, que não é vilanizar um lado para tornar o outro mais correto. É plenamente aceitável convivermos com as diferenças, ter cabelo curto, não ser tão magra, usar as roupas que quiser, assim como também está tudo bem em alguém querer participar de um concurso de beleza e se esforçar para isso.

Veja trailer de Dumplin':

quinta-feira, 16 de julho de 2020

Dude, O Cãopanheiro



Dude, O Cãopanheiro | Trailer da temporada 01 | Dublado (Brasil ...

Série juvenil Dude, O Cãopanheiro (The Healing Powers of Dude, 2020) de, apresenta os desafios de um garoto com transtorno de ansiedade, acompanhado de seu cachorro. Ideal para a família.

Sophie Kim, a Amara de “Dude, o cãopanheiro” fala sobre a série e ...

O seriado acompanha Noah, um garoto de 11 anos com transtorno de ansiedade social que está prestes a começar o ensino médio. Para ajudá-lo a lidar com a transição estressante e assustadora, seus pais lhe dão um cão de apoio emocional chamado Dude. Embora Noah não possa ouvi-lo, o cachorro o ajuda de várias maneiras, enquanto ele tenta navegar nos anos de ensino médio.

Tão bacana quanto acompanhar as dificuldades sociais de Noah, é ver a construção da amizade com Turbo e Amara e a realação familiar com sua irmã e seus pais, além do cachorro é claro.

Ficha Técnica: Dude, o Cãopanheiro – 1ª Temporada (Original Netflix)
Título Original: The Healing Powers of Dude
Duração: 197 minutos
Ano produção: 2019
Estreia: 13 de janeiro de 2020
Distribuidora: Netflix
Classificação: Livre
Gênero: Comédia
Países de Origem: EUA

Veja o trailer de Dude, O Cãopanheiro:


O Menino que Descobriu o Vento

O Menino que Descobriu o Vento - Filme 2019 - AdoroCinema
Drama O Menino que Descobriu o Vento (The Boy Who Harnessed the Wind, 2019) de Chiwetel Ejiofor emociona ao apresentar a história real de um menino Malawi que usou o conhecimento para proporcionar salvação a comunidade em que vive.

A trama apresenta um jovem de Malawi William Kamkwamba (Maxwell Simba) que está sempre se esforçando para adquirir conhecimentos cada vez mais diversificados, até que se cansa de ver todos os colegas de seu vilarejo passando por dificuldades e começa a desenvolver uma inovadora turbina de vento.

Aos 13 anos, sai da escola que ama quando sua família não pode mais pagar pelos custos. Voltando em segredo para a biblioteca da escola, ele encontra uma saída, usando partes da bicicleta do seu pai Trywell (Chiwetel Ejiofor), para construir um moinho que, em seguida, salva sua aldeia da fome. Por ser um garoto inteligentíssimo, autodidata, ele descobriu um método de criar energia eólica, para ajudar seu vilarejo a sobreviver em meio a seca. Proporcionando a emoção no espectador que acompanha a história baseada em fatos reais.

A direção de Chiwetel Ejiofor é correta e ao apresentar esse caso real, ressalta a importância dos estudos, do meio ambiente, de políticas humanitárias e do senso de comunidade.

Segue trailer:

segunda-feira, 13 de julho de 2020

Expresso do Amanhã

EXPRESSO DO AMANHÃ | Trailer da nova série da Netflix









Série dramática Expresso do Amanhã (Snowpiercer, 2020) de Josh Friedman é baseado na HQ O Perfuraeve, que já foi adaptado no filme do sul-coreano oscarisado Boog Joon-Ho O Expresso do Amanhã (2013), amplia o que foi mostrado no longa sobre a terra congelada e os últimos sobreviventes vivem em um trem que viaja pelo mundo e se esforçam para manter uma complexa coexistência a bordo, em um mundo pós-apocalíptico.

Vemos aqui como uma nova era do gelo causada por um experimento fracassado que tinha como objetivo parar o aquecimento global e acabou exterminando quase toda a vida do planeta. Os únicos sobreviventes vivem em um trem chamado Snowpiercer. Sem destino definido, o trem divide os passageiros por classes sociais em cada vagão - mas nem todos estão satisfeitos com seu destino e uma revolução se aproxima.

Com duas tramas distintas que movem os primeiros episódios da série: a iminente revolta dos desfavorecidos fundistas contra a administração do trem, e a investigação de um assassinato obscuro, diretamente relacionado com o Sr. Wilford, criador e suposto maquinista do trem. Circulando entre essas narrativas, estão os protagonistas Andre Layton (Daveed Diggs), um fundista e o último investigador vivo, e Melanie Cavill (Jennifer Connelly), porta-voz da administração e dos desejos do Sr. Wilford, e passageira da primeira classe que atua como a Voz do Trem - responsável por fazer anúncios diários aos demais passageiros pelo sistema de som: "Atenção, passageiros. Uma mensagem do Sr. Wilford sobre os rumores de um suposto tumulto nos vagões traseiros: Nós garantimos que sua segurança é nossa maior prioridade e que a ordem a bordo logo será restaurada."
A série perde no quesito novidade, em relação ao filme, bem como o sentido de urgência, que em duas horas é menos arrastado do que ao longo de 10 episódios. Os primeiros episódios tem um ritmo assustadoramente lento e cansativo, apesar de uma trama acelerada para desvendar um mistério simples, que qualquer bom observador seria capaz. Ainda assim, vale à pena acompanhar a saga, especialmente pelo esforço na atuação da dupla de protagonistas e dos enredos criados com os coadjuvantes, que são bem mais desenvolvidos que no filme, como a fundista Josie (Katie McGuinness), que tem uma participação marcante na temporada.

O 5º episódio apresenta um julgamento filmado de forma magistral, com personagens de todas as instâncias do trem fazendo a história acontecer. Cada um tem sua importância, mas o destaque ficou com LJ Folger (Annalise Basso), entregando uma jovem psicopata com carisma e atuação grandiosas, sobretudo perante o tempo de tela que lhe é dado. É aqui que a série engrena e mantêm-se nos trilhos. Agora é aguardar a segunda temporada, que terá Sean Bean interpretando o Sr. Wilford.

Acompanhe o trailer Expresso do Amanhã:

domingo, 12 de julho de 2020

Feito Em Casa

Pôster Feito em Casa - Pôster 2 no 2 - AdoroCinema



Coleção de curtas de cineastas aclamados de várias partes do mundo, Feito em Casa foram realizados durante o período de isolamento social em 2020 em vários cantos do mundo, servem de registro histórico desse momento que a humanidade está enfrentando.

Confinados em casa devido à epidemia de covid-19, os diretores criaram histórias pessoais, engraçadas e emocionantes que retratam o momento de quarentena que todos estamos vivendo. Uma homenagem à arte do cinema e ao poder da criatividade diante de uma pandemia global.

Projeto retrata o mundo sob quarentena – e conta com nomes como Kristen Stewart, Maggie Gyllenhaal e Paolo Sorrentino. Todos os episódios são sobre o mesmo tema (a quarentena), mas com histórias independentes, e que não precisam ser assistidas em ordem.

A grande sacada de Feito em Casa é sua curadoria. Ao todo, são 17 curtas, cuja duração varia de 4 a 11 minutos. Cada um deles foi feito por cineastas famosos de todos os cantos do mundo. O projeto foi idealizado pelo diretor chileno Pablo Larrain em conjunto com seu irmão, Juan de Dios. A produtora dos dois, a Fabula, se uniu à italiana The Apartment Pictures e, junto à Netflix, coordenou todas as produções à distância.

Feito em Casa é sobre adversidade, e como somos todos de diferentes países, culturas e circunstâncias, mas, para um momento único da humanidade, compartilhamos circunstâncias muito semelhantes em contextos diferentes.

Os filmes vêm dos mais diferentes lugares, do Japão (Naomi Kawase) ao Líbano (Nadine Labaki e Khaled Mouzanar). Os diretores foram instruídos a utilizar somente os equipamentos e objetos disponíveis em casa, sem furar a quarentena. Nos créditos finais, a maioria descreve seu processo de filmagem que, muitas vezes, foi feito com um celular.

Mas isso não impediu que alguns diretores extrapolassem os limites de suas casas. O francês Ladj Ly, indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro esse ano por Os Miseráveis (Les Misérables, 2019) usa um drone para mostrar a rotina de Seine Saint-Denis, uma região próxima à Paris que foi fortemente afetada pela Covid-19. Inclusive o menino que usa o drone é o mesmo personagem do filme francês.

Meu episódio favorito é o de Paolo Sorrentino, vencedor do Oscar de Filme Estrangeiro em 2014 por A Grande Beleza, chama a atenção por sua simplicidade. Gravado em diferentes cômodos da casa de Sorrentino em Roma, o curta narra uma divertida conversa entre dois bonecos: o papa Francisco e a rainha Elizabeth II. Como se acompanhar a rotina de dois brinquedos já não fosse cômico o suficiente, os diálogos são carregados de ironia, e nos fazem refletir sobre o confinamento e o papel que símbolos (como eles) desempenham em meio a tudo isso.

O de Rachel Morrison, diretora de fotografia de Pantera Negra, por exemplo, é uma comovente carta ao seu filho de cinco anos, Wiley, e fala sobre como as crianças estão enxergando o que está acontecendo – e como a pandemia será lembrada pela próxima geração.

Já o de Gurinder Chadha, cineasta britânica de origem indiana, é um espirituoso diário de quarentena. Mesclando gravações caseiras com imagens do seu arquivo pessoal, a diretora mostra como cada membro da família, com rotinas tão diversas, tiveram que se adaptar ao confinamento. Das aulas à distância dos filhos às celebrações da Páscoa e do Dia das Mães, é impossível não se identificar. Imperdível.

Confira o trailer de Feito Em Casa:

Milagre na Cela 7

encrypted-tbn3.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcR...

Drama turco Milagre na Cela 7 (7 Kogustaki Mucize, 2019) de Mehmet Ada Öztekin emociona com a comovente história de amor entre um pai e uma filha. Impossível conter as lágrimas.

Na trama, Memo (Aras Bulut Iynemli), um pastor de ovelhas com deficiência mental, vive com sua filha e avó em uma vila na costa turca do mar Egeu. Um dia, sua vida é virada de cabeça para baixo quando a filha do comandante morre e Memo é acusado do assassinato e condenado à morte.

Separado de sua filha por ser acusado de um crime que não cometeu, um homem com deficiência intelectual precisa provar sua inocência ao ser preso pela morte da filha de um comandante. Ele passa a contar com a ajuda de seus companheiros de cela e de quem também está do outro lado das grades.

A carga dramática está sempre presente, no uso da câmera que utiliza muitos planos em câmera lenta e nas cores vivas ao ar livre ou em ambientes fechados e especialmente na trilha sonora. Por mais que o roteiro não se aprofunde na história de Memo, um homem que sofre de problemas mentais e que apenas quer ficar ao lado da filha e que é injustamente acusado de assassinato da filha de um rigoroso general que apenas deseja vingança. Durante o longa, ele tenta de todas as formas provar sua inocência. Contudo, a única testemunha que poderia libertá-lo da prisão acaba sendo assassinada pelo pai da garota que ele foi acusado de matar. 

É bonito ver como os companheiros de cela de Memo se compadecem com sua história e a pouca capacidade de se defender, e passam a tentar ajudá-lo, por terem convicção dele não ser um criminoso. O amor que Memo sente pela filha Ova (Nisa Sofiya Aksongur) é belíssimo de se contemplar, embora pouco sabemos sobre como ele a criou até ela se tornar adulta ou como era a relação de ambos quando a menina era mais nova.

Se emocione com o trailer de Milagre na Cela 7:

sábado, 11 de julho de 2020

A Grande Luta

A Grande Luta - Filme 2020 - AdoroCinema





Aventura juvenil A Grande Luta (The Main Event, 2020) de Jay Karas diverte com sua ludicidade e entretém a família.

Na trama, quando Leo Thompson (Seth Carr), de 11 anos, descobre uma máscara mágica de luta livre que lhe confere super força, ele tem a chance de realizar o sonho de se tornar astro da luta livre e a usa para entrar em uma competição da WWE.

Com o apoio da avó (Tichina Arnold), ele decide entrar no campeonato da WWE e enfrentar incríveis adversários. Será que ele vai conseguir conquistar o grande título? Com direção de Jay Karas, o filme A Grande Luta é estrelado por Adam Pally e Ken Marino. Participação especial dos astros da WWE Kofi Kingston, Mike “The Miz” Mizanin, Sheamus e de Babatunde Aiyegbusi como o mais poderoso oponente de Leo.
Veja o trailer de A Grande Luta:

Ricos de Amor

Ricos de Amor - Filme 2019 - AdoroCinema


Comédia romântica Ricos de Amor (2019) de Bruno Garotti usa a cidade do Rio de Janeiro como pano de fundo de uma história de amor sincera de um garoto mimado que amadurece enquanto luta para conquistar o amor. A química do casal protagonista é um ponto alto.

Na trama, acompanhamos Teto (Danilo Mesquita) é filho do poderoso Teodoro (Ernani Moraes), um bem-sucedido empresário conhecido como "O Rei do Tomate". Teto leva uma vida de playboy até conhecer Paula (Giovanna Lancellotti), uma jovem estudante de medicina decidida que estuda para ser médica e não vê a hora de se tornar independente. Para conquistar Paula, Teto mente sobre as suas origens e acaba se atrapalhando para manter essa farsa, que o coloca em uma série de desentendimentos.

Gosto da abordagem da questão da meritocracia. Teto não quer ver o seu caminho profissional ser determinado pelo fato dele ser filho de quem é. Ele deseja ser valorizado ou reconhecido pelos seus talentos e pelas suas capacidades profissionais. Por isso, quando ele se candidata a uma das vagas de executivo junior da empresa do pai, ele assume uma identidade diferente, a do amigo Igor (Jaffar Bambirra).

Teto é imaturo, só quer saber de festas, diversão e mulheres. A proposta que ele faz a Igor envolve justamente algo que o amigo o fala: o de que, para Teto, é fácil conseguir as coisas, por ele ser quem é. Sua maturidade é notória no final do filme, que cativa com sua simplicidade e com seu bom humor.

Acompanhe o trailer de Ricos de Amor:

Compartilhar