segunda-feira, 31 de julho de 2017

Conhecendo a banda Artigo Oito32


No culto dominical de 30/07 na IBC, conheci a banda Artigo Oito32, composta por alguns membros do ministério de louvor da igreja.

A banda Artigo Oito 32, aposta da Universal Music Christian Group, em seu selo digital, já tem 10 anos de trajetória musical, e lançou recentemente seu novo álbum, Quem Ele É, nas plataformas digitais. Na ocasião, o trio lançou o primeiro episódio da Live Session, em seu canal na VEVO. O projeto Live Session terá ao todo nove episódios e tem a direção de Marcelo Venâncio e Kelson Veras, da agência Imaginar Films.

O álbum traz ao todo 12 faixas, com uma sonoridade mais pop, sem deixar de lado o rock’n’roll sempre esteve presente na trajetória da banda que afirma que: “São dois grandes projetos que falam muito do que somos e do que acreditamos. O lançamento do álbum é um momento especial para todos que fazem parte do Artigo Oito32. Ele foi feito com muito cuidado e dedicação e marca nossos 10 anos de caminhada. Já o primeiro episódio da Live, a música Quem Ele É, que também dá nome ao álbum, traz toda a nossa intensidade. Acreditamos em um Deus vivo e real, e essa música ressalta sua a grandeza, por meio de sua criação e presença constante em nossas vidas. É essa a mensagem que desejamos transmitir”, afirmou o trio formado por Luiz Alberto (vocal), Ruben Hugo (guitarra) e Thiago Rodrigues (bateria).

Assista ao clipe de Quem Ele É:

Assista ao teaser da Live Session de Quem Ele É:


Faixas do álbum Quem Ele É:
1 – Quem é Ele
2 – Inexplicável
3 – Eternamente
4 – Livre
5 – Reflexo teu
6 – Brilhar
7 – Vou Seguindo
8 – Meus Dias
9 – Pela Cruz
10 – De Volta pra Casa
11 – Não há Depois
12 – Vem de Ti

domingo, 30 de julho de 2017

Quando Nos Tornamos Luz Que Brilha e Tempero Que Dá Gosto a Esse Mundo


Na tarde/noite deste 30 de julho de 2017, estive em mais um Culto na Igreja Batista Central, para ouvir a ministração do Pr. Alcimou sobre o tema Quando Nos Tornamos Luz Que Brilha e Tempero Que Dá Gosto a Esse Mundo.


Primeiro, deixei as crianças no Geração Futuro. Sahel dormiu no carro a caminho do culto. Izahel mudou da turma Lilás para a turma Vermelha no início de julho, e ainda não se adaptou as mudanças, chorando veementemente ao entrar no galpão. Foi a segunda vez dele no vermelho!


Na tenda, a banda Artigo Oito32 ministrava louvores com músicas autorais. Destaco o belo medley de Mais Que Uma Voz de Kleber Lucas e Grande é o Senhor de Adhemar de Campos, que foi acompanhada em coral pelos irmãos que estavam presente ao culto.


Tivemos o momento de avisos e ofertas e mais uma vez a banda Artigo Oito32 ministrou o louvor, dessa vez com a bela Reflexo Teu, com a participação da Karinny de Araújo Martins. Fiquei surpreso ao saber que a banda com membros da IBC tem 10 anos de trajetória musical, lançou seu novo álbum, Quem Ele É, nas plataformas digitais pelo selo da Universal Music Christian Group. confira o Clipe de Reflexo Teu:


Então, foi a vez do pastor Alcimou subir ao palco e ministrar uma palavra exortativa, para não sermos cristãos como Jonas, que mesmo estando na presença de Deus, sendo profeta, preferimos fugir dos mandamentos divinos e somos atormentados por tempestades em nossas vidas. Foi benção de Deus. Por fim, pegamos os meninos no GR. Sahel participou de uma gincana e sua equipe no azul ficou em segundo lugar. E o Izahel estava bem entretido com os brinquedos do vermelho... Tivemos um pouco de comunhão com a família Tapajós e fomos para casa.

Seleção da Superintendência do Sistema Estadual de Atendimento Socioeducativo - SEAS 2017


Neste domingo, 30 de julho de 2017, realizei a prova objetiva para o cargo de Socioeducador - Masculino em Fortaleza, na Seleção da Superintendência do Sistema Estadual de Atendimento Socioeducativo - SEAS 2017, que estava prevista para ser realizada dia 16 de julho, mas teve sua data adiada após dois períodos de prorrogação de inscrição.



O edital lançado em abril, não teve tanta adesão de interessados, talvez pelo receio das pessoas em trabalharem numa área de risco que talvez seja lidar com menores infratores. Eu mesmo conheço várias pessoas que dispensaram este edital. Foram 7652 inscritos para 979 vagas. No meu cargo, apenas 2589 concorrendo as 530 vagas. O adiamento da prova, me fez perder a quarta etapa do Campeonato Cearense de Orientação 2017, realizado nesta manhã, mas como tive o pedido de isenção aceito, optei por fazer a prova.



Cheguei ao local de prova (UECE - campus Itaperi) por volta das 8h30 e me deparei ainda com os portões fechados, apesar da recomendação de chegar com uma hora de antecedência. Um multidão se aglomerava em frente aos portões, que felizmente foi aberto em seguida. Só deu tempo mesmo ir ao banheiro e beber uma água para já entrar na sala, pois já estava no horário de início, 9h.


O caderno de prova, continha as 60 questões, conforme dispunha o edital. Devido a pouca adesão de inscritos, diminuíram tanto a necessidade de habilitação categoria B, como a quantidade mínima de acertos das questões, onde o necessário ficou em no mínimo uma questão de cada assunto:

- Direito Constitucional - 05 Questões (Constituição da República Federativa do Brasil, de 05 de outubro de 1988, e alterações posteriores: Título II: Dos Direitos e Garantias Fundamentais; Capítulo I: Dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos; Capítulo II: Dos Direitos Sociais; Capítulo III: Da Nacionalidade; Título III: Da Organização do Estado; Capítulo I: Da Organização Políticoadministrativa; Capítulo VII: Da Administração Pública; Seção I: Disposições Gerais; Seção II: Dos Servidores Públicos; Título VIII: Da Ordem Social; Capítulo I: Disposição Geral.)

- Direitos Humanos - 10 Questões (O conceito de direitos humanos. A evolução histórica dos Direitos Humanos. Noções gerais sobre Direitos Humanos. Os direitos humanos na Organização das Nações Unidas. Os direitos humanos na Organização dos Estados Americanos. A Declaração Universal dos Direitos Humanos. A Corte Interamericana de Direitos Humanos. A natureza jurídica da incorporação de normas internacionais. Regras mínimas das Nações Unidas para proteção de jovens privados de liberdade. Regras mínimas das Nações Unidas para a Administração da Justiça da Infância e da Juventude – Regras de Beijing. Convenções da ONU sobre os direitos da criança.) 

- Legislação Especial - 15 Questões (Lei Federal nº8.069 de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente - ECA) e suas alterações; Lei Federal nº12.594, de 18 de janeiro de 2012 (Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo - SINASE) e suas alterações; Lei Federal Nº9.455 de 07 de abril de 1.997 (Lei da Tortura) e suas alterações.) 

- Tópico Especial - 10 Questões (Adolescência e puberdade: aspectos biológicos, psicológicos e sociais. Juventude e violência no Brasil. Desigualdades: classe, etnia e gênero. Sistema de garantia de direitos. Mediação, gestão de conflitos e crise.) 

- Regimento Interno das Unidades da SEAS - 20 Questões (O Regimento Interno das Unidades da Superintendência do Sistema Estadual de Atendimento Socioeducativo (SEAS), fonte para a elaboração de questões, que foi disponibilizado no endereço eletrônico da Seleção)

Como não pude sair com o caderno de prova. Aguardemos a divulgação do gabarito e do caderno, para se for o caso, elaborar algum recurso e conferir a quantidade de acertos. Aguardar os updates.

UPDATE 31/07/2017: Segue links do Caderno de provas e do Gabarito preliminar. Entrei com recurso contra a questão 33 (do caderno 3). Aguardemos análise.

sábado, 29 de julho de 2017

Jogos de Praia Atos 2017

Neste sábado, 29 de julho de 2017, marcando o fim do período de férias escolares, aconteceu na barraca Itapariká, os Jogos de Praia Atos 2017, com o objetivo de promover a comunhão entre Grupos de Relacionamento (GR) de jovens da Igreja Batista Central (IBC).

Não sou mais jovem em idade, mas o sou em espírito. Então propus a família desfrutarmos de toda a estrutura oferecida, à custo de muito trabalho dos irmãos que se dedicaram a realizar tão prazeroso evento. Tentei com os irmãos de GR formar algum time para participarmos das competições, mas fracassei e acabando apenas assistindo alguns dos jogos.
Chegamos ao local por volta das 10h. Sol à pino e rolava partidas de futevôlei. Os amigos Marcinho e Jardel participavam ativamente. Conseguimos uma barraca na faixa de areia e nos abrigamos. Minha modalidade era tomar banho de mar com menino. Então tratei de proteger a criançada com protetor solar e ir para a beira da praia tomar banho, brincar com areia e se divertir.

Enquanto isso, os jogos aconteciam a todo vapor. Desfrutamos de brindes oferecidos pelos patrocinadores, como vitamina C e dinâmica do dado da Ferrovia, que nos proporcionou ganharmos um óculos e uma chinela. Almoçamos na barraca e desfrutamos dos deliciosos dindinlícia que estavam na barraca de lanches. À tarde foi a vez de experimentarmos o sanduíche natural que esteve à venda, e os biscoitos da Adria que patrocinou o evento.

Desfrutei da massoterapia realizada pelo Vinicius, e participei das disputas livres de carimba. Inclusive estive num time que venceu as duas partidas disputadas. Para encerrar, houve a premiação dos vencedores dos jogos e louvores com a banda Sal Surfistas num Sunset maravilhoso. Foi um dia esplendoroso na presença dos irmãos em Cristo.



quinta-feira, 27 de julho de 2017

Em Ritmo de Fuga


Com uma trilha sonora de tirar o fôlego, e várias sequencias empolgantes Em Ritmo de Fuga (Baby Driver, Reino Unido/EUA, 2017), de Edgar Wright mostra muitas cenas de ação sobre quatro rodas, brincando com os gêneros ação, policial, romance, musical, inclusive com uma pitada de comédia adolescente, algo característico da filmografia do diretor. Altamente recomendado, para ser visto e ouvido sem moderação.

O novo trabalho de Edgar Wright (Scott Pilgrim contra o Mundo, 2010), já mostrava qualidades pelo trailer. 
Na trama, o jovem Baby (Ansel Elgort) tem uma mania curiosa: precisa ouvir músicas o tempo todo para silenciar o zumbido que perturba seus ouvidos desde um acidente na infância. Exímio motorista, ele é o piloto de fuga oficial dos assaltos de Doc (Kevin Spacey), mas não vê a hora de deixar o cargo após quitar uma dívida, principalmente depois que se vê apaixonado pela garçonete Debora (Lily James).


No entanto, apesar de toda qualidade do filme, ele tem problemas de ritmo, nada tão grave. A cena de abertura ao som de Bellbottoms, do The Jon Spencer Blues Explosion é admirável e já mostra como tudo em tela está bem cronometrado, assim como a ação de Baby ao volante. Em seguida, vemos um belo plano-sequência, à la La La Land - Cantando Estações (La La Land, EUA, 2016), de Damien Chazelle que apresenta ainda mais acerca do personagem principal, com muita elegância. Depois, o mais impressionante: ele cria canções a partir de conversas gravadas, atuando como uma espécie de DJ, e ditando o ritmo dos acontecimentos pela trilha sonora que seleciona. Algo sensacional. Confira:


Wrigth esbanja talento, dirigindo até os movimentos de seus personagens, de acordo com as batidas da trilha, num trabalho de direção magnífico. Vemos muita influência de Tarantino no modo de dirigir de Edgar. O filme perde um pouco do seu frescor, quando troca os fones de Baby por suas falas tímidas e contida. O romance com Debora vai engrenando e cenas simples, parecem um balé, devido aos movimentos de câmera, mesmo quando o casal está parado diante de uma máquina de lavar, ou numa mesa de um restaurante.

A trama se torna clichê, quando o bandido, que na verdade é mocinho, pois não agride as vítimas, não anda armado, se mostra simpático e não gosta sequer de ver os parceiros atuando (tem um momento que ele anda uns dois metros pra frente e depois do assalto dá uma ré), precisa retomar a vida de crime para salvar a sua pele e ficar com a mocinha. Ele só é feliz, quando trabalha honestamente como entregador de pizza.


O elenco está excelente. Ansel Elgort esbanja carisma de óculos escuros e iPod. Os "diálogos" com o padrasto surdo são magníficas. Kevin Spacey trás um pouco de seu personagem em House Of Cards, Jamie Foxx dá um show à parte, fazendo referências a Django Livre especialmente nas cenas em que está provocando o Baby, assim como os comparsas, bem interpretados por Jon HammElza Gonzalez e Jon Bernthal (o Shane de The Walking Dead).

Assim, como uma sinfonia muito bem orquestrada, uma montagem primorosa e uma edição de som e mixagem muito bem realizada. O uso da trilha sonora torna o filme o equivalente a um grande clipe cinematográfico. Tem uma cena hilária ao som de Never, Never Gonna Give Ya Up de Barry White. Outra fabulosa que utiliza Easy de Sky Ferreira. Baseado no clipe Blue Song, da banda Mint Royale, que Edgar Wright dirigiu em 2013. 

Confira o trailer de Em Ritmo de Fuga:



Dunkirk


Drama de guerra histórico Dunkirk (Dunkirk, Estados Unidos, 2016), de Christopher Nolan apesar de usar de uma primorosa técnica de direção, montagem e de som, acaba deixando a desejar em seu roteiro. Não toma o posto de melhor filme de guerra do ano, que continua com Até o Último Homem (Hawksaw Ridge, Austrália/EUA, 2016), de Mel Gibson.


História baseada na Operação Dynamo, 
mais conhecida como a Evacuação de Dunquerque, planejada no início da Segunda Guerra Mundial na tentativa de evacuação de soldados aliados da Bélgica, do Império Britânico e da França, quando estes foram encurralados pelo exército alemão e precisaram ser resgatados durante uma feroz batalha na cidade portuária no Norte da França. Até civis foram convocados para ajudar no resgate de mais de 300 mil homens. Sob cobertura aérea e terrestre as tropas são lentamente evacuadas da praia num clima de tensão absoluto ao longo de todo o filme.


Tecnicamente o filme é muito bom. A cena inicial é de um vislumbre inimaginável e nos apresenta Tommy (Fionn Whitehead) e posteriormente um intrigante soldado francês (Damien Bonard). Eles tentam literalmente furar a fila para serem resgatados o quanto antes. Não entendi muito a função narrativa do 
personagem do Comandante Bolton (Kenneth Branagh). No núcleo do mar, o filme dedica um bom tempo de tela para o drama do personagem de Cilian Murphy, resgatado à deriva pelo barco de passeio do patriota Dawson (Mark Rylance) que atende ao chamado para ajudar a resgatar o exército de seu país. Neste núcleo, a subtrama envolvendo o garoto George (Barry Keoghan) parece fora de contexto, ao tentar incluir temas como o perdão, o rancor e até mesmo a vingança. Preciso registrar ainda o enorme desperdício de subutilizar o talento de Tom Hardy interpretando um heroico piloto (Farrier) que precisa destruir um avião inimigo ou ser destruído por ele, tendo que arriscar a própria sobrevivência, em função da falta de combustível. Destaca-se apenas a bela cena final do pouso na areia e captura de seu personagem (será que haverá continuação?).

Nolan é um baita diretor cinematográfico. Ele é admirado por se recusar a filmar com tecnologia digital, merece elogios por evitar o insuportável uso das três dimensões (3D), gosta de utilizar o quase extinto formato dos 70mm e se mostra contrário a exibições em telas pequenas, incluindo o lançamento de filmes diretamente em plataformas de streaming. Sou fã, não nego! Mas confesso que fiquei com um gosto
ácido de vinagre, no que poderia ser o melhor filme da carreira do diretor.

As tomadas de Dunkirk são de tirar o fôlego, especialmente com as câmeras IMAX. A montagem do australiano Lee Smith é digna de elogios, por ser criativa, mostrando três pontos de visão, sendo o que o filme tem de melhor, especialmente quando conseguimos perceber ao longo da projeção... O filme se apresenta em três núcleos: 1. O Molhe (deveria se chamar terra, ou píer e palco central das ações) que se passa ao longo de uma semana; 2 . O mar, ou especificamente um barco civil, que ocorre durante um dia e 3. O ar, que se passa ao longo de uma hora, mostrando o árduo trabalho dos pilotos da força aérea. O grande problema é que a trama demora em conectar os três diferentes espaços temporais.

A mixagem de som e os efeitos sonoros são fabulosos, capazes de te inserir na trama, a ponto de nos sentirmos literalmente na guerra. Provando que um bom filme, imerge muito mais que o fatídico uso de 3D. No entanto, apesar de todo apuro técnico, o roteiro do filme ficou aquém do desejado, com a montagem chamando mais atenção que a história em si. Queria que o Nolan tivesse me emocionado com uma história de guerra, e fiquei com uma enorme sensação de que faltou algo.


O filme poderia ter se aproveitado do caos que foi reservado a centenas de milhares de combatentes, mas Nolan optou por fazer todo um trabalho estético, mas com conteúdo limitado. Poderia ter aproveitado muito mais do elenco, do cenário montado, do realismo agudo, do palco bélico e ter apresentado uma história marcante. O filme despreza completamente o inimigo, não faz questão de deixar claro o que está em jogo neste confronto específico, tampouco qual foi o papel de Dunquerque dentro da Segunda Guerra. Ainda assim recomendado, porém sem tantas expectativas. 


Acompanhe o belo trailer de Dunkirk:




quarta-feira, 26 de julho de 2017

Loop Session Friends - Tour 2017


Na noite deste 26 de julho de 2017, estive no Teatro Rio Mar com o amigo Adriel Dantas, conferindo a apresentação de Eli Soares, Mauro Henrique (vocalista do Oficina G3) e Guilherme Sá (vocalista da banda Rosa de Saronno Loop Session Friends - Tour 2017. Em 2016 adquiri ingresso do Mauro Loop Session, ainda com a participação de Leonardo Gonçalves, mas esqueci completamente do evento, lembrando apenas no dia seguinte... Nesse ano não me esqueci!



Produzido pela Toca Produções,  o projeto é regado de muita música cristã, com novas repaginações, basicamente usando os mesmos elementos do Mauro Loop Session, porém com uma diferença peculiar onde se tem a experiência de ouvir os três cantores dividindo suas respectivas canções, dentre outras… E também dividindo com o público suas experiências através de super bate papo descontraído no meio do show.


O show ficou com um set list incrível, embora como bem disse o Eli Soares, as músicas do Guilherme dêem literalmente uma caída no show... A mescla das vozes diferentes dos três cantores combinam e parece que estamos nos alimentando de algo em camadas. Especialmente nas canções em que os três cantam. A crítica ao evento são as quantidades de paradas que ocorrem entre uma canção e outra, com verdadeiros buracos que quebram o ritmo do show.

Set List do Show:

1. Eu Sei (DJ PV) - Mauro Henrique
2. Música em inglês não identificada (Estevão Queiroga) - Mauro Henrique
3. Tudo Que Eu Sou (Eli Soares) - Eli Soares e Mauro Henrique
4. Morada (Eli Soares) - Eli Soares e Mauro Henrique
5. Latitude, Longitude (Rosa de Saron) - Guilherme Sá e Mauro Henrique
6. Floresta de Bétulas (Guilherme Sá) - Guilherme Sá e Mauro Henrique
7. Un Peu D'Air (Guilherme Sá) - Guilherme Sá e Mauro Henrique
8. O Melhor Lugar do Mundo (Eli Soares) - Eli Soares

Três perguntas aos cantores...



9. Em Teus Braços (Laura Souguellis) - Mauro Henrique

Reflexão com Mauro Henrique, testemunhando sobre como foi descansar em Deus no processo de luta contra o câncer de sua primeira esposa Jacky.



10. Me Ajude a Melhorar (Eli Soares) - Mauro Henrique, Guilherme Sá e Eli Soares
11. O Sol da Meia Noite (Rosa de Saron) - Mauro Henrique, Guilherme Sá e Eli Soares
12. Incondicional (Oficina G3) - Mauro Henrique, Guilherme Sá e Eli Soares
13. Melhor (Mauro Henrique) - Mauro Henrique, Guilherme Sá e Eli Soares



Segue teaser do Loop Session Friends - Tour 2017:


Segue trecho de Em Teus Braços:

Segue clipe de Melhor com a participação de Eli Soares e Guilherme Sá:

Segue trechos da turnê 2017 em Maceió/AL:

Reunião Diretoria CODL

Neste 26 de julho de 2017, a diretoria do CODL esteve reunida para decidir algumas questões relacionadas ao Clube.

Abordamos assuntos relacionados a nossa ata da assembleia ordinária, que ainda está pendente de registro em cartório, falou-se sobre a oficina que haveria em prol do campeonato brasileiro universitário no Adhail Barreto, sobre o ônibus para o Cambor III, que será feito o pagamento via clube, e questões relacionadas a 6ª etapa CODL/Azimute, que deverá ter boletim publicado até 01/08, estando pendente o contrato com o Joquei Clube e a elaboração de um plano de divulgação da etapa.

Melhor (part. Guilherme Sá e Eli Soares)

Neste 26 de julho de 2017, me preparando para ir ao Loop Sessions Friend (Sim! Eu sou daqueles que se preparam psicologicamente pra ir a um show!) passei o dia ouvindo as canções do trio e me deparei com a linda canção abaixo, que certamente estará no set list do show. Confiram:



Segue Letra de Melhor:

A vida não sabe esperar
Passa depressa e ninguém vê
Gastamos tempo julgando
E alguém vai julgar você

Mas não importa o que vão falar
Nem o que vão pensar de você
Só continue andando com aquele que tudo vê

Só Deus que conhece
Só Deus que consegue
Saber de verdade quem é você

Na caminhada tem que entender
Que é o nosso olhar que tem que mudar
Ao renovar nossas mentes
Deus vemos em todos
Deus está em todo lugar

E não importa o que vão dizer
Nem o que vão pensar de você
Só continue olhando e acreditando
Que é Nele que somos (melhor)

A gente pode ser (melhor)
Deus faz a gente ser (melhor)
A gente pode ser
Se é Deus que faz, podemos ser (melhor)

A gente pode ser (melhor)
Deus faz a gente ser (melhor)
A gente pode ser
Se é Deus que faz, podemos ser

Na caminhada tem que entender
Que é o nosso olhar que tem que mudar
Ao renovar nossa mente
Deus vemos em todos
Deus está em todo lugar

E não importa o que vão dizer
Nem o que vão pensar de você
Só continue olhando além
E crendo que é Nele que somos (melhor)

A gente pode ser (melhor)
Deus faz a gente ser (melhor)
A gente pode ser
Se é Deus que faz, podemos ser (melhor)

A gente pode ser (melhor)
Deus faz a gente ser (melhor)
A gente pode ser
Se é Deus que faz, podemos ser

Deixe Ele trabalhar
Deus pode te mudar
Ele te deixará mais leve

terça-feira, 25 de julho de 2017

Paraíso - Hélvio Sodré (ft. Marcos Almeida)

Foi lançado hoje o vídeo com a canção Paraíso de Hélvio Sodré, que conta com a participação de Marcos Almeida. Fiquei curioso com a animação do clipe e por conhecer a qualidade das letras do Hélvio e me deparei com uma bela canção.

Confira o clipe e ouçam que bela letra:



Segue letra de Paraíso de Hélvio Sodré:
 
Por que será que o choro vem
Se o fardo é de algodão
Tudo vai passar

A esperança é o que convém
Pra acalentar coração
Não fique assim tão mal

Não dá pra comparar
A glória que virá

Saber que o paraíso há de ser mais tarde
Saber que a eternidade brilha pra nos conquistar
Saber que tudo isso vai ter fim mais tarde
Saber que a salvação em Cristo veio pra ficar

sábado, 22 de julho de 2017

Homem-Aranha: De Volta ao Lar em 2D


Na noite deste 22 de junho de 2017, revi com meu filho o longa Homem-Aranha: De Volta ao Lar (Spider-man - Homecoming, Estados Unidos, 2016), de Jon Watts em duas dimensões, que deixou claro como o 3D é desnecessário. Também ficou claro que o filme é um pouco cansativo para crianças menores de 10 anos.

O filme tem dois prólogos, um para o vilão mostrando o impacto dos eventos de Os Vingadores para a sociedade e outro para Tom Holland como um vlog do aranha do youtube, mostrando os eventos ocorridos em Capitão América - Guerra Civil, num suposto estágio com as empresas Stark. O jovem Peter ainda não é considerado um vingador e terá que se provar para alcançar o tão sonhado cargo. No filme, ele deixa de ser um garoto pra ser um herói a apesar da recuso do novo uniforme e de integrar a equipe dos vingadores, fica óbvio que isso acontecerá em Vingadores - Guerra Infinita.

Pude reparar em alguns ester eggs do novo filme do aracnídeo. A influência do homem de ferro é interessante, embora o uniforme evoluído do aranha denote que trata-se de um homem de ferro com teias. A questão do amigo da vizinhança, ganha contornos bem interessantes, com cenas inclusive do aranha ajudando uma velhinha a achegar ao seu destino...

Fica claro que a MJ provavelmente será o próximo interesse amoro do Peter Parker. O Ned (Jacob Batalon, que se mostrou ser um ator de excelente timing cômico) também é super interessante, e nos coloca na trama. Liz Allen (Laura Harrier) funciona muito bem como o par romântico do protagonista e o fato dela ser filha de alguém importante.

O Abutre tem o filme para si. Michael Keaton é um belo ator e pode se tornar um parceiro do Homem Aranha, sendo quem sabe um anti herói nos próximos filmes, vide a cena pós créditos. A cena do carro, onde o Peter descobre que o Abutre é o pai do interesse amoroso de Peter.

O filme tem muitas referências: Clube dos Cinco (toda a atmosfera colegial que o filme tenta passar)Te Pego Lá Fora (as cenas que mostram o relógio), Curtindo a Vida Adoidado (tem uma cena literal de Ferris Buller correndo pelo jardim), Batman - O Cavaleiros das Trevas (na cena em que o aranha muda a voz ao interrogar o personagem de Donald Glover) e até Ela (na cena em que ele está preso sozinho e conversa com o traje, apesar de não ter apelo romântico). 

Segue trailer de Homem-Aranha: De Volta ao Lar:

Detetives do Prédio Azul (D.P.A.) - O Filme

Aventura voltada para o público infanto-juvenil, Detetives do Prédio Azul (D.P.A.) - O Filme (Brasil, 2016), de André Pellenz sucesso na TV, com oito temporadas, 190 episódios, sendo exibida em três canais: Gloob, TV Brasil e TV Cultura. Agora nos cinemas, amplia ainda mais seu público, ganhando novos adeptos às histórias envolvendo mistério e bruxaria. O filme embora pareça um episódio longo do seriado, não ofende, mantém a essência e cumpre seu papel: o entretenimento. 

A série de televisão Detetives do Prédio Azul (2012-2016) foi a primeira produção original do canal por assinatura Gloob, destinado ao público infantil. Com uma audiência bem positiva, chegou a hora de o especial voar mais alto, com um longa-metragem para cinema, que pode introduzir esse universo a um novo público. Na trama do filme, os Detetives do Prédio Azul são confrontados com o maior caso de suas vidas: salvar o próprio edifício da destruição. Pippo (Pedro Henrique Motta), Sol (Letícia Braga) e Bento (Anderson Lima) se infiltram na festa de Dona Leocádia (Tamara Taxman), a terrível síndica que é, literalmente, uma bruxa para resolver o caso.


Lá eles presenciam um crime "mágico", que condena o Prédio Azul a uma demolição de emergência. Para completar, a única testemunha - o quadro falante da Vó Berta (Suely Franco) - desaparece, e Dona Leocádia é enfeitiçada para ficar boazinha. Para resolver esse caso, os detetives vão contar com a ajuda do porteiro Severino (Ronaldo Reis), que empresta sua Kombi azul novinha para ser a sede móvel de investigação. A aventura fica completa quando Tom (Caio Manhente), Mila (Letícia Pedro) e Capim (Cauê Campos), fundadores do clubinho original, são trazidos de volta ao Rio de Janeiro para ajudar no caso. Para quem acompanhou a série pela TV, o filme se mostra claramente como uma continuidade do que vem sendo contado, respeitando tanto a curiosidade, quanto o saudosismo e mostrando que fim levaram os personagens que deram início a esta trajetória.

A série protagonizada pelo clube de amigos especializados em desvendar mistérios, estreou em 2012 no Gloob e teve uma das maiores audiências do canal, tanto que recentemente passou a ter o dobro da duração. A série já conta oito temporadas, e teve inclusive boa acolhida da crítica - sendo eleita melhor série infantil na última edição do Prêmio da  Associação Paulista de Críticos de Arte - APCA. Para o filme, elenco e equipe foram mantidos, incluindo o diretor André Pellenz, de Minha Mãe É Uma Peça – O Filme. A Paris Entretenimento já provou que sabe fazer um sucesso infantil com Carrossel - O Filme e aqui repete a dose, num singelo filme juvenil, que sabe claramente quem é o seu público.


O roteiro de Flávia Lins e L.G. Bayão é consistente o suficiente ao propor motivações interessantes e convincentes para tudo que ocorre no filme. Por mais que as rachaduras do prédio azul seja claramente feita com adesivos, o filme faz bom uso dos efeitos especiais, tanto em cenas comuns como na aparição de uma simples caneta, ou a transformação dos suspeitos em bichos, como nas cenas mais elaboradas como no ataque dos livros raivosos na biblioteca, ou na poção de Theobaldo (Charles Myara)Percebi no longa algumas referências visuais do universo dos filmes de Harry Potter, que certamente deve ter inspirado esta obra. 

filme conta com a parceria da Marinha do Brasil, que possibilitou inclusive a gravação de cenas com um submarino de verdade, tornando o imaginário infantil do que está sendo mostrado, funcionando bem dentro da dinâmica narrativa apresentada. O elenco que participa do filme também está bem, contando com grandes nomes como Mariana Ximenes (Bibi Capa Preta), Otávio Muller (Jaime Quadros), Ailton Graça (Temporão) e Maria Clara Gueiros (Bruxa Mari P.). Destaco também a boa utilização de figurino, especialmente na cena da festa dos bruxos e da trilha sonora que varia de Anitta a Psy, passando pela bela canção de abertura interpretada por Maria Gadu.

Acompanhe o trailer de Detetives do Prédio Azul:

Encantos Contação de Histórias no Iguatemi Fortaleza


Na tarde deste 22 de julho de 2017, estive com meus meninos no shopping Iguatemi Fortaleza conferindo a apresentação do grupo Encantos Contação de Histórias.

Teve muita histórias cantadas, com música bacana, fazendo a alegria de crianças e adultos que estiveram presentes. Teve A lenda do brilho da lua, O casamento da ratinha e outras histórias incríveis... Foi maravilhoso!


Bazar Aberto na Praça do Bem


Na tarde deste sábado, 22 de julho de 2017, estivemos no Bazar Aberto na Praça do Bem, vendendo peças que temos arrecadado em função do Projeto Reconstrução.

A Velane foi nos ajudar e as peças foram expostas e apuramos mais um pouco. Como diz o ditado, de grão em grão, vamos enchendo o papo...

Várias pessoas estavam expondo suas peças, então a arrecadação não foi das melhores, até porque o movimento foi relativamente pequeno.

Oficina de Contação de Histórias


Neste sábado, 22 de julho, estive na Livraria Leitura do Shopping RioMar com a família, para participar da oficina de interação de pais e filhos com contação de histórias organizada pelo Clube das Mamys. Contar boas histórias para as crianças estimula a criatividade e o interesse dos pequenos pela leitura, além de fortalecer o vínculo entre o adulto e a criança. 


O evento teve início por volta das 10h30 e contou com a participação da pedagoga Camila Quirino que repassou aos presentes, a possibilidade de transformar uma história em algo criativo e que chame atenção das crianças.



De início, ouvimos a bela história Severino Faz Chover de Ana Maria Machado com todo o talento de Camila, ao iniciar a história cantando uma canção preparativa, capaz de prender a atenção dos pequenos. Quanto a história, Severino morava numa terra muito seca, muito árida e por isso mesmo muito triste. Tudo lá estava murcho, menos a magia e a esperança de um garoto, que percebeu desde cedo que com disposição, união e boa vontade, o mundo pode se tornar muito melhor. Este texto de Ana Maria Machado é uma lição de confiança na capacidade que todos temos de resolver os problemas do dia-a-dia. Pois, através da arte, da criatividade, da magia e de muita brincadeira, Severino e seus amigos conseguiram o que parecia impossível: fazer chover!



Depois, tivemos uma leitura interativa do livro Gildo de Silvana Rando. Cada pessoa do grupo, leu uma parte do texto que apresentava Gildo, um elefantinho muito corajoso. Ele gosta de montanha-russa, de avião, de filme de terror e de cantar em público. Mas como quase todo mundo, existe uma coisa que o deixa apavorado... Sempre na noite anterior a alguma festinha de aniversário de um amigo, ele não consegue pregar os olhos, por que será? Do que Gildo tem medo? Todos participaram, cada um com sua entonação e a história foi lida.



Camila Quirino deu então algumas dicas e conselhos práticos, desde a preparação do ambiente, até a escolha de bons conteúdos, afinal livros é um alimento, e existe de todo preço e conteúdo. Indicou livros da Brinque-Book e em seguida colocou seus livros à disposição para leitura entre pais e filhos. Li para meus filhos O Urso Pulguento de Nick Bland que conta a história da relação de um urso e uma pulga. Parecia mais um dia comum: o céu estava azul e a grama verdinha, repleta de flores. Sentado em um tronco, o urso aproveitava para ler um livro, quando foi interrompido por uma forte coceira, provocada por uma pulga. Ela só queria dizer “oi” e mostrar que estava ali, mas acabou causando muita confusão! Será que esses dois inusitados personagens vão conseguir superar suas diferenças? 

Por fim, Camila ainda nos proporcionou mais duas leituras. Primeiro O Grúfalo de Julia Donaldson. Usando de astúcia e imaginação, apresenta um ratinho que vai criando um monstro terrível e assustador, o Grúfalo, e diverte-se espantando seus predadores. Mas qual não é o seu espanto ao ver sua imaginação personificada à sua frente. O Grúfalo, é uma divertida fábula sobre os poderes da nossa imaginação. As bonitas ilustrações, de Axel Scheffler, complementam a graça do texto e convidam a acompanharmos o ratinho em seu passeio pela floresta. 

Já O Filho do Grúfalo também de Julia Donaldson é uma espécie de continuação. Apesar das advertências do pai, o filho do Grúfalo sai sozinho pela floresta durante uma noite fria e escura. Seu propósito é encontrar o grande e feio Rato Mau. Mas será que esse tal de Rato Mau, devorador de grúfalos, existe mesmo? Afinal, o que é fantasia e o que é real quando podemos utilizar nossa perspicácia para sobreviver? A inteligência, utilizada como método de sobrevivência por um ratinho indefeso, fez surgir O Grúfalo. Agora, em O Filho do Grúfalo, a criatura inventada pelo pequeno roedor cria outra, num desdobramento criativo e surpreendente. Lembro de ter visto na Caixa Cultural o curta de animação O Regresso do Grúfalo, baseado neste excelente livro. 



Foi uma manhã maravilhosa!

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Como Se Tornar Um Conquistador


Comédia Como Se Tornar Um Conquistador (How to Be a Latin Lover, EUA, 2017), de Ken Marino conta com a participação de Eugenio Derbez, o responsável pelo encantador Não Aceitamos Devoluções (2013), filme mexicano que teve recentemente uma refilmagem francesa, o ótimo Uma Família de Dois (2017) e se mostra divertido em sua proposta cativante de apresentar a importância de um tio presente na vida de um sobrinho, lembrando inclusive a recente comédia nacional Um Tio Quase Perfeito (Brasil, 2016) de Pedro Antônio.


Este é o primeiro filme para cinema de Ken Marino, ator e diretor especializado em produções televisivas. Por mais que pelo trailer esse filme aparentasse ser uma comédia grosseira, ela é extremamente bem-vinda, e apesar da censura, ela se torna divertida para se ver até com as crianças.

Na trama, Máximo um gigolô sexy e sedutor que fez carreira seduzindo mulheres ricas e mais velhas (o mexicano Eugenio Derbez, em seu primeiro filme americano). Ele se torna um milionário, mas sem levantar um dedo, ao se casar com uma mulher rica e 25 anos depois ele é trocado por um homem muito mais jovem sendo despejado e forçado a voltar a morar com a distante irmã Sara (Salma Hayek) e seu jovem filho Hugo (Rafael Alejandro), um menino tímido e desajeitado que não sabe como lidar com as garotas. 

O filme rende boas risadas, especialmente nas situações do tio com o sobrinho. Enquanto Máximo se vê desesperado à procura de uma vida de luxo, funcionários e carros, traça um esquema para seduzir uma viúva bilionária, usando inclusive o sobrinhoNessa transição, o filme expõe o verdadeiro valor da família, como o valor que realmente importam, estando muito acima do poder do charme. 

Assista ao hilário trailer de Como Se Tornar Um Conquistador:

Compartilhar